O forte calor, aliado às chuvas constantes, é a combinação perfeita para o desenvolvimento do mosquito transmissor das doenças que estão aterrorizando a vida dos brasileiros. Para se prevenir destas enfermidades a procura por repelentes é grande. Mas o que poucos sabem é que várias plantas, como o cravo, a hortelã e a pimenta possuem substâncias que podem repelir o inseto. "Essas plantas possuem substâncias voláteis que servem para protegê-las de ataques de pragas, isso inclui moscas, entre outros insetos’', ressalta Ana Cristina Sanches, bióloga do Museu de Ciências Naturais da PUC Minas.

A pesquisadora afirma que está desenvolvendo um estudo baseado em uma série de produtos naturais extraídas de plantas exóticas.

Publicidade
Publicidade

Entre as plantas estudadas destaca-se a citronela, utilizada como uma arma natural para afastar os mosquitos, também estão sendo estudados, o tomilho e o cedro. Sanches explica que as substâncias extraídas das plantas possuem inúmeras substâncias voláteis as quais devemos estudar a fundo para podermos entender como elas funcionam dentro de um ambiente hostil.

"Alguns óleos extraídos do gerânio, além de serem excelentes repelentes, são bons aromatizantes". Mesmo que surjam novos repelentes para afastar o mosquito, a bióloga cita que devemos ter atenção redobrada nos cuidados básicos para a prevenção de doenças. "O principal é não deixarmos água parada em recipientes e verificar sempre os pratinhos de flores entre demais recipientes. O uso do inseticidas a base de nim ( mais conhecida como amargosa), também é bastante eficaz contra o mosquito.

Publicidade

Geralmente este produto é vendido em agropecuárias''.

Adaptação do Aedes aegypti

Muitos acreditam que o mosquito transmissor da dengue possui hábitos diurnos, picando enquanto houver a luz do dia. Mas o que poucos sabem é que o mosquito conseguiu adaptar-se ao ambiente noturno, passando a ser um risco durante a noite também. De acordo com a pesquisadora, o mosquito costuma esconder-se em ambientes escuros dentro de casa, em baixo de sofás e outros móveis. "Ele costuma ficar escondido nesse locais durante a noite, mas assim que o indivíduo ascende a luz ele acorda e volta a sua atividade", conclui Ana Cristina Sanches, pesquisadora da PUC Minas. #Entretenimento #Curiosidades #Dengue