Deixe a camisinha entrar na festa é o slogan da Campanha de Combate à AIDS/DST do Ministério da Saúde para o #Carnaval 2016, que traz como personagem o 'Homem Camisinha', que já confirmou presença nas principais festas do país. Os números de casos de infecção pelo vírus HIV tem caído durante a última década e nesse período do feriado de Carnaval o Ministério da Saúde intensifica a distribuição dos preservativos.

Com um personagem carismático e divertido, o Ministério da Saúde pretende distribuir 5 milhões de camisinhas nas principais cidades do país - onde é maior o número de foliões - através de ações em blocos carnavalescos e com pontos de distribuição.

Publicidade
Publicidade

O que mais preocupou as autoridades da saúde este ano foi o aumento do número de pessoas que contraíram a doença no ano passado, 72 mil pessoas passaram a receber os coquetéis antiaids. Apesar de em 2014 o número de infectados ter diminuído mais 5,5% em relação ao ano anterior, e da queda significativa do número de casos na última década ser uma conquista para o Brasil.  

“Precisamos sempre lembrar das estratégias de prevenção combinada. Com a camisinha nas relações sexuais, mas também com alternativas como a PEP”, declarou o diretor do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais, Fábio Mesquita. Dessa forma, o Ministério da Saúde também disponibilizará, no pós-carnaval, os medicamentos que formam o chamado PEP (Profilaxia Pós-Exposição) e evitam a proliferação do vírus no organismo. E também incentivará os testes de HIV em todo o país.

Publicidade

Ademais, os medicamentos da Profilaxia Pós-Exposição estarão disponíveis nos postos de saúde a partir da quarta-feira de cinzas, dia 10, onde as pessoas poderão receber todas as informações necessárias a respeito deste tratamento de emergência. A distribuição de camisinhas nos postos de saúde é contínua, não só durante o carnaval, basta você levar a sua carteira de identidade para receber os preservativos totalmente de graça. Não há desculpas para não usar camisinha, afinal, a festa não acaba depois do Carnaval. #Governo #sistema de saúde