Cientistas da Sanofi Pasteur  começaram as pesquisas pela vacina contra o vírus. A OMS (Organização Mundial da Saúde) já interveio, declarando estado de emergência à nível mundial, pela gravidade da situação e a velocidade com que o vírus tem se espalhado, principalmente em países da América do Sul e Central, e até na América do Norte.

No Brasil, a situação é uma das mais preocupantes, onde já apresenta sinais de epidemia. A Organização Pan-Americana da Saúde, órgão da OMS nas Américas, divulgou nota nesta quinta-feira (28) e estimou que quatro milhões de pessoas podem ser infectadas, se não houver uma medida ostensiva de combate ao mosquito transmissor.

Publicidade
Publicidade

No Brasil, país mais extenso da América do Sul a previsão é sombria, estimando-se que 1,5 milhão de pessoas possam ser vítimas da doença, lembrando que o maior risco é para mulheres grávidas, devido à forte suspeita da relação de contaminação pelo vírus, com o aumento de casos de microcefalia no país, (foram registrados no país em 2015, 270 casos e mais de 3.500 suspeitos).

A vacina contra a Zika

Ainda não existe imunização contra a febre Zika, que provoca também a síndrome de Guillain-Barré, doença neurológica que pode deixar sequelas graves como a paralisia.

A Sanofi Pasteur, a maior empresas do mundo no ramo, anunciou que suas divisões responsáveis já começaram as pesquisas para desenvolvimento de uma vacina contra a Zika.

A empresa é responsável pelo desenvolvimento  de mais de 20 tipos de vacinas, a exemplo das contra o Tétano, Tuberculose, Sarampo, Caxumba, Poliomielite e Raiva, entre outras, e está apoiando-se no êxito da descoberta da imunização contra a febre amarela que também é transmitida por picadas de mosquitos.

Publicidade

Em declaração ao site Yahoo na França, Nicholas Jackson, chefe de pesquisas da Sanofi Pasteur, disse que assumiu o projeto, e declarou: "A Sanofi Pasteur está respondendo ao apelo global à ação, para desenvolver uma vacina Zika, dada a rápida disseminação da doença e possíveis complicações médicas". Nicholas acredita que a descoberta recente da vacina contra a #Dengue também poderão ser aproveitados no desenvolvimento da imunização contra a Zika.

Microcefalia a maior preocupação

A relação da microcefalia com a Zika está sendo amplamente investigada. Estudos do Instituto de Biologia da Universidade Federal da Bahia apontam o vírus como responsável pelo aumento no número de casos, por coincidir com a contaminação das mães de bebês que apresentaram a anomalia, que fez várias vítimas principalmente o Norte e Nordeste do Brasil.

Como o #Zika Vírus chegou ao Brasil?

Suspeitas apontam que o vírus tenha vindo para o Brasil na Copa do Mundo de 2014, identificado pela primeira vez na Nigéria há 20 anos, pode ter sido trazido por turistas africanos, e se espalhado pelo mundo.

Publicidade

Transmissão, tratamento e sintomas da Zika

O vírus tem como vetor o Aedes Aegypti, responsável também pela dengue, febre amarela e chikungunya. A Zika não é altamente letal, mas requer cuidados médicos, os sintomas são semelhantes ao da dengue, dores de cabeças, febre, dores musculares e coceira pelo corpo e olhos (conjuntivite), são as mais comuns, além de diarréia e enjôo.

O tratamento dura cerca de 4 a 5 dias e é relativamente simples, a base de analgésicos, antiinflamatórios e antitérmicos, (exceto os com AAS, ácido acetil salicílico), servindo para aliviar os sintomas. É recomendado o acompanhamento médico, pois há risco de agravamento, podendo levar à morte.

  #Organização Mundial de Saúde