A cidade de São Paulo e região metropolitana estão se adiantando para a campanha de vacinação contra a Influenza A/H1N1, de acordo com a Secretaria Estadual da Saúde que passou a informação nesta terça (29).

A campanha terá início a partir de 11 de abril e neste início de campanha serão vacinados os idosos, as crianças com idade maior de 06 meses e menor de 05 anos e gestantes, moradores da região e parte do público-alvo. Especialistas do #sistema de saúde serão imunizados a partir da data de 08 de abril. Na totalidade serão cerca de 3,5 milhões de paulistas recebendo a imunização de maneira adiantada.

Para as pessoas remanescentes da Grande São Paulo estão inclusos ainda pacientes crônicos, puérperas, indígenas, presos e trabalhadores do sistema prisional.

Publicidade
Publicidade

Habitantes dos outros municípios do Estado só serão imunizados contra Influenza A/H1N1 a partir da data de 30 de abril, quando terá o inicio da campanha nacional.

Notas

A Secretaria Estadual da Saúde de São Paulo tem o conhecimento que há quatro meses houve um aumento anormal de casos da Influenza A/H1N1 no estado, conforme a informação do técnico do Centro de Vigilância Epidemiológica (CVE) que foi divulgada na última semana.

Em nota, de acordo com o documento, apesar do pico da #Doença Influenza A/H1N1 ocorrer no período de inverno, a secretaria percebeu que meados de novembro de 2015 houve um aumento nos anúncios da Síndrome Respiratória Aguda Grave, conhecida como SRAG, promovida pelo vírus da Influenza A/H1N1.

"Cabe assinalar que se constatou um crescimento no número de ocorrências de SRAG a partir da semana epidemiológica 46/2015 relacionado à atividade do vírus Influenza A/ H1N1, contemplando 15 casos e quatro óbitos", destacou o informe.

Publicidade

Houve nos últimos 45 dias um registro que representa 45,5% das ocorrências e registro de pelo menos 40% de mortes em todo o decorrer do ano de 2015. Os casos centralizaram no final do ano onde foi considerada incomum conforme registro de números dos anos decorridos. O circular não revela as referências de semana a semana, mas conforme informação divulgada, o anúncio dos acontecimentos e óbitos pela Influenza A/H1N1 nos verões anteriores a dois anos eram próximos de zero.

Interpelado através do estado a respeito das ações tomadas, a secretaria informou que, mesmo que o Centro de Vigilância Epidemiológica tenha percebido o aumento atípico dos casos da Influenza A/H1N1 desde novembro, a hipótese de uma epidemia naquele instante "não indicava risco de expansão expressiva do vírus". #Medicina