O zika vírus tem se tornado um problema mundial de saúde pública. A cada dia, casos novos vêm surgindo em diversos países. Seu principal modo de transmissão é pelo mosquito Aedes Aegypti, porém, ha ocorrência de contaminação perinatal, transmissão sexual, saliva e transfusão de sangue.

Os primeiros casos isolados foram constatados nos primatas, em Uganda, no ano de 1947. Entre 1951 a 2013, houve indícios de contaminação em humanos somente nos países da África, Ásia e Oceania.

Nas Américas, o #Zika Vírus foi constatado pela primeira vez no início de 2014; e no Brasil, o primeiro caso confirmado aconteceu no início de 2015.

Publicidade
Publicidade

A Organização Mundial de Saúde informa que em 2016 mais de 3 milhões de pessoas podem ter sido infectadas pelo vírus da zica (em inglês, zika virus).

Pesquisadores já alertam que a população mundial poderá sofrer uma epidemia, como ocorreu no ano em que houve uma disseminação da infecção pelo HIV.

Segundo a literatura, 80% das pessoas infectadas podem desenvolver os sintomas: manchas vermelhas na pele, dor nas articulações, febre, vermelhidão nos olhos sem presença de secreção, dor de cabeça, tosse, náuseas, vômitos e dor de garganta.

A evolução da infecção geralmente é benigna e os sintomas desaparecem após 3 a 7 dias. Até o momento foram confirmadas complicações somente para o feto. Se o vírus é transmitido da mãe para o bebê, ele poderá nascer com microcefalia. 

A orientação mais importante é: elimine os criadouros do mosquito aedes aegypti.

O aplicativo

Com números de casos de infecção crescendo e notícias diversas sendo divulgadas, raramente os leitores param para checar se as informações estão corretas ou não.

Publicidade

O portal "Minha Vida" decidiu lançar um aplicativo trazendo informações de confiança sobre o zika vírus.

Os usuários que baixarem o aplicativo receberão alertas sobre o vírus zika: notícias recentes, descobertas científicas, ações de saúde, tratamento, complicações, notificação de novos casos e ainda poderão tirar dúvidas com Médicos no canal. 

O aplicativo está disponível para os aparelhos IOS e Android, basta baixar o link pelo site Rederapp. #Dicas #Doença