Em 2007, astrônomos se depararam com um fenômeno até então nunca captado, que foi batizado de “rajadas rápidas de rádio”, ou fast radio bursts, em inglês (FRBs). Como o próprio nome diz, estes eventos são compostos de emissões de rádio, que surgem inesperadamente durando apenas alguns milissegundos, provenientes de fora da Via Láctea.

Até o momento, os cientistas não têm certeza de sua causa, e já foi cogitado que essas emissões de rádio poderiam, além de origem natural, se tratarem de mensagens criadas artificialmente, como algum tipo de tentativa de comunicação por parte de uma distante civilização extraterrestre inteligente.

Publicidade
Publicidade

Origem do sinal

Recentemente, pesquisadores descobriram um sinal que se repetia, proveniente de uma galáxia elíptica, situada a aproximadamente 6 bilhões de anos-luz de distância da Via Láctea.

Anteriormente, os cientistas haviam sugerido que as rajadas rápidas de rádio poderiam ser causadas por interações entre objetos que aniquilariam sua fonte, como por exemplo, explosões de estrelas supermassivas, conhecidas como supernovas, ou a destruição de uma estrela de nêutrons ao colapsar dentro de um buraco negro. Mas como o sinal detectado se repetiu, esta teoria não faria sentido, pois sua fonte ainda permanece emitindo a radiação.

O sinal repetitivo foi descoberto por cientistas que trabalhavam no radiotelescópio de Arecibo, em Porto Rico, o maior telescópio do tipo no mundo. Paul Scholz, astrônomo da Universidade McGill, no Canadá, que foi o primeiro a detectar o sinal, disse que a repetição era muito empolgante, e afirmou: "Eu soube imediatamente que a descoberta seria extremamente importante no estudo de rajadas rápidas de rádio”.

Publicidade

Scholz e seus colegas já detectaram 10 emissões de rádio do tipo, e acredita que os eventos possam ter sua origem em objetos distantes muito exóticos, como por exemplo, estrelas de nêutrons que emitem uma poderosa energia, algo sem precedentes no campo da astronomia.

Victoria Kaspi, também da Universidade McGill, disse que os estudos que explicam as FRBs aleatórias e constantes, aparentemente contraditórios, podem ser, na verdade, duas faces diferentes de um mesmo tipo de evento: "O aparente conflito entre os estudos poderia ser resolvido, se se verificar que existem pelo menos dois tipos de fontes de rajadas rápidas de rádio”. #Curiosidades