E se todos os seres vivos que habitam ou já habitaram a Terra fossem extraterrestres, incluindo nós, seres humanos? Em um primeiro momento, a ideia pode soar como absurda, mas é o que estabelece uma teoria conhecida como panspermia, proposta primeiramente no século V antes de Cristo e evidenciada novamente no século XIX.

Segundo a panspermia, os precursores químicos da vida, ou até mesmo microrganismos, encontram-se presentes no espaço, dentro de asteróides e cometas, sendo capazes de dar surgimento ao ciclo da vida quando atingem um planeta e encontram condições adequadas ao seu desenvolvimento.

Pode ser que a vida na Terra tenha tido esta origem, e cientistas franceses descobriram novas evidências de que pelo menos os cometas, de fato, podem formar e levar as “sementes da vida” em seus interiores.

Publicidade
Publicidade

Descoberta fascinante

Em uma parceria entre a Universidade Paris-Sul e o Instituto de Química de Nice, pesquisadores conseguiram com sucesso desvendar um mistério que, há muito tempo, instigava os cientistas. Até então, não se sabia como um açúcar, conhecido como ribose, que é um dos blocos de construção do material genético dos organismos vivos, poderia ter se formado na Terra.

Em qualquer ser vivo, o material genético é composto por ácidos nucléicos, conhecidos como DNA e RNA – sendo que este último pode ter sido uma das primeiras moléculas relativas à vida a surgir na Terra. A grande pergunta é como esses dois ácidos teriam surgido, e asteroides e cometas deram as primeiras pistas.

De fato, já haviam sido encontrados aminoácidos e bases azotadas (componentes de ácidos nucleicos) em meteoritos ou cometas artificiais produzidos em laboratório, mas o surgimento da ribose ainda era uma incógnita, até que os cientistas franceses conseguiram produzi-la com sucesso.

Publicidade

Para tanto, os pesquisadores criaram um cometa artificial, juntando água estéril, amoníaco e metano – elementos que são a matéria-prima deste tipo de corpo celeste. A mistura foi colocada em uma câmara de vácuo, resfriada a - 200 °C e aquecida até a temperatura ambiente, simulando o que acontece quando um cometa se aproxima do Sol.

Depois disso, a amostra resultante foi analisada através de um método extremamente sensível e preciso, conhecido pelo complicado nome de cromatografia gasosa multidimensional acoplada a espectrometria de massa de tempo de voo. Vários açúcares foram detectados, incluindo a ribose.

Embora a existência da ribose ainda precise ser confirmada em cometas naturais, o experimento indica que todos os blocos de construção da vida podem se formar no espaço, o que quer dizer, em última análise, que o universo poderia estar repleto de vida.

Assista a um vídeo explicando a panspermia:

#Curiosidades #Europa