Quando ouvimos aquela famosa frase “a esperança é a última que morre”, muitas vezes, duvidamos. Mas esse não foi o caso de Bruno Medeiros, de 32 anos, mineiro de Santa Rita do Sapucaí, sul do estado.

Bruno, que é engenheiro, sofreu um acidente de carro há 8 anos, que afetou a sexta vértebra da coluna vertical, e, como sequela, ficou tetraplégico, dependendo, desde então, de uma cadeira de rodas para se locomover.

Mas a luta e a perseverança de Bruno tiveram uma resposta há pouco mais de um mês e que entrará para a história da #Medicina no país: um tratamento inovador, desenvolvido na França, somado à sua força de vontade, possibilitaram ao engenheiro a chance de andar novamente.

Publicidade
Publicidade

A técnica utilizada tem um custo médio de R$600 mil, e já entrou para a lista de procedimentos da Agência Nacional de Saúde. O método, trazido ao Brasil por Nucélio Lemos, médico da Escola Paulista de Medicina, consiste em implantar um neuroestimulador para enviar sinais elétricos usando eletrodos. O aparelho foi desenvolvido, primeiramente, para ajudar os cadeirantes no controle do intestino e bexiga, mas a grande expectativa é de que o aparelho possa ajudar na recuperação dos membros inferiores.

Surpreendentemente, a reação de Marcos foi rápida: ele conseguiu mover suas pernas após 24 horas da cirurgia, aumentando, assim, as expectativas dos médicos.

Marcos, que nunca se abateu com os diagnósticos de que não poderia mais voltar a andar, dedicou-se à fisioterapia, mesmo não sendo fácil manter essa motivação e esperança.

Publicidade

Com a fisioterapia, Marcos conseguiu recuperar uma boa parte do movimento dos membros superiores.

Em entrevista ao portal R7, Marcos disse que sempre se preparou para encontrar um tratamento que lhe permitisse voltar a andar.

Como o tratamento ainda não é feito pelo SUS (Sistema Único de Saúde) e tampouco coberto pelos planos particulares, Marcos recorreu à justiça para conseguir que seu plano de saúde fizesse a cobertura do tratamento.

Após a cirurgia, Marcos relata que as sessões de fisioterapia estão pesadas, devido sua recuperação. Mesmo assim, confiante, ele quer se esforçar para melhorar ainda mais seu desempenho e conquistar independência longe da cadeira de rodas. #Curiosidades