As Filipinas se tornaram o primeiro país na Ásia a licenciar a primeira vacina do mundo para prevenção da #Dengue. A empresa farmacêutica Francesa, Sanofi Pasteur, desenvolveu a vacina que, segundo Ministério da Saúde, pode reduzir o número de casos de dengue nas Filipinas. Mas pode levar algum tempo para que a vacina seja utilizada amplamente no atendimento da rede pública.

A Food and Drug Administration do país aprovou, em 23 de dezembro no ano passado, uma vacina tetravalente chamada Dengvaxia que luta contra as quatro estirpes separadas de dengue que desafiaram o controle preventivo, por muito tempo. 

A Dengvaxia foi autorizada para venda no mercado local, a partir de janeiro de 2016.

Publicidade
Publicidade

Mas o Departamento de Saúde das Filipinas vai ter que esperar a pré-qualificação da OMS e recomendações antes que financiamento possa ser fornecido para a aquisição em grande escala. A vacina é o primeiro antidengue concedido à aprovação regulatória na Ásia.

A vacina está sendo revisada por outros 20 países da Ásia e da América Latina, entre eles o Brasil, que declarou um estado de alerta sobre os números alarmantes do vírus no país.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) considera a dengue como a doença transmitida por mosquitos que mais cresce no mundo, com aumento de casos 30 vezes maior que no último meio século. Isso coloca mais da metade da população do mundo potencialmente em risco, 67 milhões apenas na Ásia.

As Filipinas registraram mais de 200.000 casos de dengue no ano passado, com cerca de 600 deles resultando em mortes. Este ano, cerca de 20.000 casos haviam sido notificados até 20 de fevereiro.

Publicidade

"Posso assegurar-vos que, assim como outras vacinas, a vacina da dengue é uma vacina segura", disse Rose Capeding do Instituto de Pesquisa de Medicina Tropical.

Mas defensores da saúde pública incitaram o ministério  atrasar a implantação de Dengvaxia, citando possíveis efeitos adversos da vacina.

Anthony Leachon, presidente da Fundação Philippine College of Physicians, disse que o ministério deve primeiro aguardar os resultados de um estudo encomendado pela #Organização Mundial de Saúde (OMS) sobre a segurança da vacina, adequação e custos.

 O Dr. Antônio Dans, professor da Faculdade de Medicina da UP, advertiu que, enquanto a vacina poderia reduzir o número de casos de dengue, poderia também, mais tarde, aumentar a severidade da doença, um fenômeno conhecido como "melhoramento dependente de anticorpos". Citando os próprios estudos da Sanofi, ele disse que isso pode acontecer dentro de três anos após a introdução da vacina.

A Dengvaxia foi desenvolvida pela Sanofi depois de 25 estudos clínicos, em 15 países, ao longo de 20 anos.