A Dra. Devra Davis acaba de escrever o livro “The Secret History of the War on Cancer” (A História Secreta da Guerra contra o Câncer). Nele, a doutora relata quais os principais efeitos da radiação emitida por celulares. Assim como a maioria dos usuários, a Dra. Davis também não acreditava na hipótese de que um celular fosse tão perigoso para saúde humana. Certo dia, resolveu pesquisar melhor o assunto e, após pesquisar inúmeras evidências, chegou a conclusão de que o uso desse aparelho além de ser perigoso para saúde, também pode ser mortal. A doutora está crente que um aparelho de celular é altamente prejudicial ao organismo humano, pois ele pode interferir no DNA de uma pessoa.

Publicidade
Publicidade

Um exemplo disso refere-se a uma jovem, a qual não apresentava nenhum fator para predisposição de doenças como câncer. De acordo com informações, a jovem se cuidava na alimentação, realizava exercícios com frequência e mantinha sua vida tranquila. Mesmo assim, um tumor de mama a atingiu, pegando-a de surpresa. A história foi registrada em uma revista americana denominada de Environmental Health Trust.

Nesse caso, a jovem teria relatado aos médicos que costumava colocar o aparelho entre os peitos, na parte de dentro do sutiã. Um fato curioso, nesse caso, é que as células cancerígenas desenvolveram-se exatamente no local onde a jovem costumava colocar o celular. Dois médicos renomados no tratamento contra o câncer, os doutores Robert Nagourney e John West, acabaram concluindo que há fortes evidências de que o aparelho foi o causador da doença na jovem.

Publicidade

Entretanto, ainda não há nenhum estudo científico com 100% de afirmação de que o celular seja um causador de câncer.

Mas existem muitas pesquisas comprovando que a radiação do aparelho é nociva ao organismo humano. Uma pesquisa da Universidade de Exeter, na Inglaterra concluiu que homens que costumam carregar o celular no bolso das calças podem tornarem-se inférteis em um futuro próximo. De acordo com análises em espermatozóides em mais de 1400 pacientes nas amostras expostas à radiação do aparelho, encontrou-se uma redução acima de 8% nas motilidades dos espermatozoides e uma redução de 9% na viabilidade dos mesmos. Em geral, os pesquisadores descobriram uma redução na atividade e no percentual dos espermatozoides. De acordo com os cientistas, o celular, quando carregado no bolso de uma calça, além de expor os testículos a altas temperaturas também podem comprometer na qualidade do esperma.

Outra pesquisa realizada na Suécia concluiu que uma conversa prolongada no celular aumenta em mais de 240% o risco de surgimento do tumores no cérebro.

Publicidade

O estudo avaliou mais de 2000 pacientes diagnosticados com a doença e avaliou uma relação entre o uso do celular e o surgimento dos tumores no cérebro. De acordo com a pesquisa liderada pelo Dr. Kjell Mild, o uso frequente do aparelho aumenta em 240% o surgimento de tumores ao lado da cabeça onde o aparelho é mais usado.

Para Dra. Davis existem muitas pesquisas interligando o uso do celular ao surgimento de tumores, ela afirma que poderia-se escrever páginas e mais páginas falando a respeito do assunto. ''Certamente, no mundo em que vivemos o número de celulares em breve pode superar o número de pessoas, sendo assim, é muito difícil para alguém ficar longe da radiação causada por esses aparelhos''. Concluiu a Dra Daves. #Entretenimento #Dicas #Curiosidades