Conforme divulgado pela Agência Espacial Americana (NASA), quinta-feira (2), observações do espaço, feitas pelo telescópio espacial Hubble, sugerem que a expansão do universo ocorre de forma mais rápida do que eles haviam deduzido. De acordo com o cientista Adam Riess, líder do estudo e Prêmio Nobel, a descoberta poderá ajudar a astronomia a compreender os enigmáticos elementos que compõem 95% do cosmos, entre eles a energia escura, matéria escura e outras propriedades. 

A NASA comenta a empolgante descoberta, ao ressaltar o fato de a redefinição da atual taxa de expansão do universo, agora, detectada com maior precisão, reduzir a margem de erro para apenas 2,4% (a agência não informou a margem de erro anterior). “A equipe elaborou técnicas inovadoras que melhoraram a precisão das medições”, fala Riess, ao salientar que os resultados serão publicados na próxima edição da revista The Astrophysical Journal.

Publicidade
Publicidade

Além de procurar por galáxias, no intuito de calcular a expansão do espaço, astrônomos concentraram as atenções nas supernovas tipo Ia, considerada sub-categoria das estrelas variáveis cataclísmicas, resultado de uma violenta explosão de uma estrela anã branca, brilhante o suficiente para ser observada a longas distâncias. Segundo a agência, ela constatou a luminosidade de diversos tipos de estrelas em 19 galáxias diferentes, medindo com precisão o brilho e a distância das mesmas. Também mensurou as mesmas características em 300 supernovas do tipo Ia, em galáxias diferentes.

“A equipe comparou essas distâncias com a expansão do espaço medida pelo alongamento de luz das galáxias se afastando. Eles usaram estes dois valores para calcular o quão rápido o universo se expande, conhecido como constante de Hubble”, escreve a NASA.

Publicidade

Conflito de informações

De acordo com pesquisadores envolvidos no projeto, as medições atuais divergem das feitas sobre a aceleração do universo após o Big Bang. Dados da Agência Espacial Europeia e da NASA destacam que a expansão inicial é de 5% a 9% inferior a constante de Hubble, e os cientistas não sabem precisar o motivo da anomalia. Contudo, Riess compara esse tipo de pesquisa à construção de uma ponte. “Você começa em duas extremidades, e espera encontrar no meio da ponte a distância correta até os dois pontos. Mas, agora, as extremidades não são iguais, e nós queremos saber porquê”, conclui. #Inovação #Curiosidades