Será que no futuro próximo, ao invés de nos reproduzirmos por meio da relação sexual, iremos ser projetados em laboratórios?

Conforme propuseram 25 cientistas, na prestigiada universidade de Harvard (EUA), em maio passado, a criação do genoma humano artificial (sintético) teria ideais mais “nobres”, como curar patologias e aprimorar os remédios. Esse método, caso seja aprovado, será capaz de desenvolver em laboratório, órgãos humanos para transplante; além de criar imunidades contra vírus; aumentar a resistência das células saudáveis para combater o câncer, e ajudar na evolução de vacinas e remédios, elaborados por meio de células e órgãos humanos.

Publicidade
Publicidade

No entanto, o jornal português Publico, de sexta-feira (3), avalia que o desenvolvimento genético poderá ceder espaço à criação de pessoas projetadas sob encomenda, em ambientes de pesquisa. Elas nasceriam sem família, e teriam as características genéticas “aprimoradas”.

Porém, os acadêmicos explicam que a ideia, surgida no mês passado, tem o propósito de construir um genoma sintético e testá-lo em células, num prazo de dez anos. O projeto foi revelado na última quinta-feira (2), em um artigo da revista Science.

Contudo, pesquisadores envolvidos no trabalho reconhecem os riscos “morais” que esse tipo de estudo, batizado de “Projeto de Escrita do Genoma Humano”, apresenta. Eles pretendem discutir a ideia com o público em geral, com a finalidade de avaliar as consequências éticas, legais e sociais, da criação do genoma humano artificial.

Publicidade

Segundo informações do periódico lusitano, os estudiosos objetivam captar cerca de 100 milhões de dólares de financiamento público e privado, para iniciar as pesquisas ainda neste ano. Eles avaliam que o custo total do trabalho ficará em torno de 300 milhões de dólares.

Apesar da ressalva de alguns indivíduos, assustados com a ideia de seres humanos criados em laboratório, cientistas que não fazem parte do projeto, dizem apoiar a pesquisa. Eles consideram que o estudo poderá esclarecer as vastas funções do genoma humano, desconhecidas até o momento. Esses acadêmicos acreditam que o “Projeto de Escrita do Genoma Humano” também auxiliará numa melhor compreensão de como os genes são regulados. Além de esclarecer o fato da enorme variedade genética entre a população humana.

Ainda que seja impossível precisar a criação de seres humanos em ambiente de pesquisa, a possibilidade existe. Porém, até que ponto avançaremos com os estudos científicos e tecnológicos, só o tempo dirá. #Curiosidades #Medicina #Internet