Cada vez mais cobiçada pelas grandes potências econômicas, a exploração espacial é o principal objetivo das mais poderosas nações do planeta, como os Estados Unidos, a China e os 13 países do velho continente integrantes da Agência Espacial Europeia (ESA).

Apesar dos norte-americanos serem os primeiros e únicos, até o momento, a construírem uma estação espacial, a China anunciou a implantação da futura estação chinesa até 2020. Agora, um recente comunicado da ESA, numa conferência de imprensa na Alemanha, noticiado pela #Mídia inglesa nesta terça-feira (21), revela a intenção da agência em desenvolver uma base espacial entre a Terra e a Lua num período de dez anos.

Publicidade
Publicidade

Na ocasião, a ESA apresentou o ambicioso projeto para a criação de um ‘habitat’ no espaço profundo com objetivo de auxiliar os astronautas na exploração do sistema solar. Conforme a agência informou, uma base espacial localizada entre o nosso planeta e o satélite natural permitirá aos exploradores a captação de água nos polos lunares antes de ingressarem em longas viagens espaciais, reduzindo o tempo das missões.

Segundo declaração do astronauta britânico Timothy Nigel Peake, 44 anos, conhecido como Major Peake, que recentemente voltou do espaço, sua principal meta consiste em pisar em solo lunar.

“Sonho em participar de uma missão de exploração lunar. Acho que qualquer astronauta gostaria disso”, falou a repórteres no Centro Europeu de Astronautas, na cidade de Colônia (Alemanha).

Segundo o chefe de Voos Tripulados da ESA, David Parker, no final de 2016, a entidade organizará uma conferência em Lucerna (Suíça) para discutir com os ministros europeus a elaboração da base espacial.

Publicidade

Parker revela que a Estação Espacial Internacional (ISS) está próxima da ‘aposentadoria’.

“Depois de 25 anos de serviço a ISS está chegando ao fim da vida. Mas, agora, iremos ainda mais longe”, disse.

Acrescentou ainda que uma estação espacial construída no espaço profundo, a uma distância maior do que a ISS fica da Terra - apenas 400 quilômetros de nós -, poderá proporcionar novas experiências aos futuros exploradores.

“Será um novo lugar para viver e aprender a trabalhar no cosmos. Uma espécie de acampamento para explorar o sistema solar com a possibilidade de retornar à superfície da lua”, explicou.

O início

Após a construção da estação europeia, programada para daqui uma década, o chefe de Voos Tripulados da ESA destaca que, inicialmente, ela será habitada por quatro astronautas, de nacionalidades diferentes, capazes de demonstrar como viver num ambiente inóspito com recursos escassos. Ele salienta que os primeiros desbravadores da nova empreitada cósmica utilizarão a energia solar, além de cultivarem os próprios alimentos e reciclarem a água e demais resíduos.

Parker enfatiza a necessidade de retornar à lua.

“Queremos voltar lá. Nós mal arranhamos a superfície”, concluiu. #Inovação #Curiosidades