Será que durante décadas de observação estelar, as agências espaciais e os astrônomos deixaram de perceber a presença de um asteróide próximo ao nosso planeta?

Conforme divulgado pela #Mídia norte-americana, especializada no tema, uma recente descoberta da Agência Espacial Americana (NASA) detectou uma rocha espacial que orbita o sol sem se distanciar da Terra. Chamado pelos cientistas de 2016 HO3, o asteróide está sendo considerado uma ‘quase lua’, devido à distância em que se encontra de nós.

Embora a observação recente do astro pareça surpreendente, Paul Chodas, gerente do Centro da NASA para estudos de objetos próximos à Terra, revelou, em um comunicado na quarta-feira (15), que outros corpos celestes errantes já orbitaram o nosso planeta numa distância semelhante à lua.

Publicidade
Publicidade

“Um outro asteróide, 2003 YN107, seguiu um padrão orbital parecido, dez anos atrás. Mas depois partiu da nossa vizinhança”, recorda.

Apesar dele ter sido observado somente esse ano, o cientista destaca a possibilidade do astro estar acompanhando nosso planeta há décadas. “Nossos cálculos indicam que o 2016 HO3 tem sido um quase-satélite estável da Terra por quase um século. Ele vai continuar a seguir esse padrão como companheiro da Terra nos séculos vindouros”, destaca Chodas, ao acrescentar o fato de o 2016 HO3 ser o melhor exemplo de uma quase-lua já encontrada.

Por meio do telescópio de rastreio Pan-STARRS 1, no Havaí, cientistas notaram o objeto em 27 de abril desse ano. Mesmo que o tamanho do HO3 seja desconhecido, pesquisadores acreditam que ele pode ter entre 40 a 100 metros de diâmetro.

Publicidade

Características

Segundo a NASA, à medida que a rocha espacial orbita o sol, ela faz um ‘loop’ em torno da Terra, se aproximando de nós. A órbita do 2016 HO3 é ligeiramente inclinada em relação ao nosso planeta, de modo que o asteróide também balança para cima e para baixo através do plano orbital da Terra.

A agência explica que a trajetória do corpo celeste tende a mudar ao longo do tempo, mas ressalta o fato de a força gravitacional da Terra manter ele próximo a nós. De acordo com a NASA, o astro nunca se aproxima mais do que 9 milhões de milhas (14,5 milhões de quilômetros), e também não se afasta mais do que 24 milhões de milhas (38,8 milhões de km) da Terra.

Antes que os ‘profetas’ do fim do mundo saiam anunciando uma improvável colisão entre nós e o 2016 HO3, a NASA salienta que, apesar da pequena interação gravitacional entre ambos os corpos, ele não representa ameaça. #Curiosidades #Intercâmbio