A enfermidade contagiosa é causada pelo Coxsackie, um vírus da família dos enterovírus, que normalmente se alojam em nosso sistema digestivo. Conhecida popularmente como síndrome mão-pé-boca, ganhou esse nome justamente por ocasionar pequenas feridas nas mãos, pés e boca, além de provocar estomatites (uma espécie de afta que afeta a mucosa da boca, partes internas da bochecha, língua e garganta).

É transmitida através do contato com fezes contaminadas, além de espalhar-se facilmente por meio de tosses, espirros, saliva e o contato entre pessoas. Por isso, apesar de ser uma doença que pode também aparecer em adultos, é predominante entre as crianças pequenas, sendo mais comum naquelas com idade até 5 anos.

Publicidade
Publicidade

O sintoma predominante é o aparecimento de pequenas lesões (feridas), avermelhadas e, às vezes, com aspecto de pequenas bolhas nas mãos, pés e ao redor da boca e nariz, podendo ou não se espalhar por todo o corpo. 

Mas o aspecto que costuma ser o mais incômodo e dolorido são as lesões (pequenas aftas) que aparecem na parte interna da boca, atingindo as amígdalas e a faringe, causando dor na garganta e dificuldade para comer e ingerir líquidos, o que pode levar a quadros de desidratação e perda de peso.

É importante ressaltar, que em alguns casos, a criança pode não apresentar todos os sintomas de forma evidente, levando à demora no diagnóstico correto, já que algumas crianças apresentam quadros de febre nos primeiros dias da enfermidade, o que permite que seja confundida com um resfriado comum.

Publicidade

Ainda não existe vacina e o tratamento é apenas sintomático, com antitérmicos e anti-inflamatórios. Apenas para os casos mais graves, os médicos podem utilizar os medicamentos antivirais. Recomenda-se que o paciente permaneça em repouso, evite contato com outras crianças, para evitar a transmissão; tome bastante líquido; e alimente-se bem. 

Como a dor de garganta pode ser um impedimento para isso, recomenda-se que sejam oferecidos alimentos mornos, pastosos e fáceis de engolir, como gelatinas e sorvetes, além de evitar as frutas e líquidos ácidos e temperos, como vinagre e limão, que podem aumentar a dor. É extramente importante manter o paciente bem hidratado, então, bebidas geladas, como sucos naturais, chás e água são indispensáveis.

Para os que convivem e cuidam da criança ou adulto acometido por essa síndrome, é muito importante lembrar sempre de lavar bem as mãos antes e depois de lidar com o doente.

No mais, costuma ser uma doença incômoda, mas passageira, tendo seu quadro mais grave em torno de cinco a sete dias. #Maternidade #Saúde