O professor de biologia Matthew Gdovin, da Universidade do Texas, localizada em San Antonio, Estados Unidos, desenvolveu uma técnica não invasiva testada em ratos que, em apenas duas horas de #Tratamento, destrói cerca de 95% das células cancerígenas de um tumor.

A promissora técnica pode ser particularmente útil no tratamento de pacientes que não podem ser operados ou possuem tumores em locais do corpo de difícil acesso, e ainda ser usada em crianças.

Durante a experimentação da nova técnica, Gdovin testou seu método recentemente patenteado contra o câncer de mama triplo negativo, que é um dos tipos mais agressivos e difíceis de curar.

Publicidade
Publicidade

Procedimentos

Para realizar o tratamento em ratos, Matthew Gdovin aplica uma injeção, dentro do tumor, de uma substância química conhecida como nitrobenzaldeído. Após a difusão da substância pelo tecido doente, o cientista incide um feixe de luz ultravioleta diretamente sobre as células cancerígenas, o que torna o ambiente onde o tumor se localiza muito ácido, impedindo que este continue vivo. Em uma analogia mais simples, é como se as células cancerígenas cometessem suicídio.

O professor Gdovin afirma que a técnica pode ser aplicada nos mais variados tipos de tumor: "Embora existam muitos tipos diferentes de câncer, a única coisa que eles têm em comum é a sua suscetibilidade a este suicídio celular induzido".

O procedimento foi capaz de fazer o tumor nos ratos parar de crescer, e dobrou suas chances de sobrevivência após um único tratamento em laboratório.

Publicidade

A quimioterapia tradicional, que pode provocar algumas doenças, tais como neuropatia, candidíase e anemia, além de queda de cabelo, afeta todas as células do portador da doença. Certas terapias usam justamente o processo de tornar o organismo do paciente mais ácido, o que, eventualmente, acaba matando as células cancerígenas. É nesse ponto que o tratamento do professor Gdovin é diferente e inovador, pois a acidificação se dá somente nos locais onde os tumores se desenvolvem.

O cientista já começou a testar seu método em células cancerígenas resistentes a drogas, para tornar sua terapia o mais forte possível. #Medicina #EUA