Pesquisadores da Universidade de Nottingham, localizada na Inglaterra, em associação com o Instituto Wyss da Universidade de Harvard, dos Estados Unidos, criaram um método revolucionário que pode significar o fim do #Tratamento de canal dentário, que é um procedimento notoriamente doloroso.

A técnica inovadora tem potencial para poupar a ida de milhões de pessoas ao dentista, e utiliza células-tronco para estimular o crescimento da dentina – tecido encontrado entre a camada exterior de esmalte e a polpa interior, constituindo a maior parte de cada dente.

Os cientistas criaram obturações contendo células-tronco, que foram aplicadas nos canais dentários.

Publicidade
Publicidade

O procedimento impulsiona o crescimento da dentina, e permite a regeneração de dentes que foram danificados por doenças.

Inovação

O Dr. Adam Celiz, da Universidade de Nottingham, e integrante da equipe de cientistas que desenvolveu a nova técnica, afirmou que as obturações dentárias existentes atualmente são tóxicas para as células, e, portanto, se tornam incompatíveis com o tecido pulpar do interior do dente. Nos casos em que há uma doença no dente e lesão da polpa dentária, o que se faz comumente é a abertura do canal radicular para remover os tecidos infectados, e sua consequente obturação.

Celiz afirma que é neste ponto que o tratamento desenvolvido pelo time de cientistas se diferencia: "Temos concebido biomateriais sintéticos que podem ser utilizados de forma semelhante a obturações dentárias, mas que podem ser colocados em contato direto com o tecido da polpa para estimular a população de células estaminais nativas, para a reparação e regeneração do tecido da polpa e da dentina circundante".

Publicidade

 

Em termos mais simples, a obturação criada pelos pesquisadores não apenas fecha e protege o canal previamente aberto no dente, mas estimula o crescimento celular e regenera o tecido lesado.

O tratamento revolucionário já ganhou, inclusive, um prêmio da Royal Society of Chemistry (Sociedade Real de Química) de Londres, e os cientistas esperam obter financiamento e desenvolver um uso generalizado da técnica. #Inovação #Medicina