A conhecida frase shakespeariana que diz haver mais “mistérios entre o céu e a Terra do que sonha a nossa vã filosofia”, parece cada vez mais atual, embora tenha sido escrita há mais de três séculos.

Agora, o novo mistério a ser desvendado pela ciência foi encontrado no fundo do mar, em 25 de julho, nas Ilhas do Canal, situadas na costa da Califórnia (EUA), durante expedição científica abordo do navio de pesquisa Nautilus.  

Na ocasião, estudiosos se depararam com uma enigmática esfera rocha e brilhante, no fundo do oceano. Eles a apelidaram de ‘blob roxo’. O achado foi filmado e divulgado no canal dos pesquisadores, no Youtube.

Publicidade
Publicidade

Conforme a #Mídia especializada norte-americana Science World Report, os cientistas notaram a estranha criatura enquanto analisavam corais localizados a grandes profundidades. Surpresos com o inusitado hóspede detectado próximo aos corais, eles acharam que a esfera fosse um invertebrado marinho chamado Tunicado. Também especularam a possibilidade de o animal ser um tipo de saco de ovos, com um embrião no interior.

Contudo, após um breve período de análise no habitat natural da esfera, perceberam que estavam de frente com um novo tipo de ser subaquático, ainda não catalogado pela ciência. Pesquisadores admitiram perplexidade ao testemunharem o ‘blob roxo’. Embora a maioria dos estudiosos tenha confessado não ter a mínima noção sobre a origem da ‘coisa’, um membro da equipe arriscou palpite sobre a esfera.

Publicidade

Para ele, ela pode ser uma espécie marinha, conhecida como saco de ovos de aranha.

A bizarra criatura foi recolhida pelo navio Nautilus. Para isso, foi usado um tubo de sucção de controle remoto. Ainda que não tenham descoberto de qual ‘família’ ela deriva, estudiosos acrescentam que ela pode ser uma nova espécie de molusco marinho. De acordo com os pesquisadores envolvidos no achado, pode levar vários anos para descobrir mais informações sobre a ‘coisa’.

Ao que tudo indica, o fundo oceânico abriga animais ainda não identificados pela ciência. Se a equipe levar muitos anos para chegar a uma conclusão sobre o ‘blob roxo’, é provável que novas espécies já tenham surgido depois dele.

  #Inovação #Curiosidades