Emagrecer pode ser um desafio enorme para a maior parte das pessoas obesas ou com sobrepeso. Comer parece ser o centro da vida, uma das formas constantes de prazer, e acompanha muitas das atividades de lazer. Sendo assim, o que deveria ser a forma de sustentação da vida pode transformar-se na forma mais sutil de acabar com ela, ou ao menos de diminuir drasticamente a saúde e a qualidade de vida.

Viver para comer ou comer para viver?

Diante da complexidade da vida moderna, das crises e desafios constantes, do estresse do dia a dia, parece que deixar de comer por prazer é um sacrifício inimaginável. A boa notícia é que o #Emagrecimento não precisa acabar com o prazer da alimentação, mas implica em mudar a forma de se alimentar, buscando um equilíbrio que resulte em uma alimentação saborosa e saudável, que visa, principalmente, suprir as necessidades do corpo.

Publicidade
Publicidade

Prescrever uma #Dieta pode não ser o meio de alcançar sucesso duradouro no emagrecimento. Algumas pessoas simplesmente não farão as mudanças necessárias simplesmente porque o problema é muito mais profundo do que aparenta ser. Uma série de fatores emocionais vai influenciar no processo de emagrecimento duradouro e saudável!

O acompanhamento de um coach pode ser uma saída para as pessoas que hoje não conseguem levar adiante uma mudança efetiva na alimentação. Entender a razão de comer demais, a ansiedade, o que está por trás do desejo de prazer constante através da comida, mesmo sabendo dos prejuízos à saúde que acarreta. Aprender a entender e enxergar seus problemas reais, pode resultar em uma mudança surpreendente e libertar as pessoas para seguirem rumo a uma maior qualidade de vida através da #Alimentação Saudável e balanceada.

Publicidade

Um coach de saúde é um profissional qualificado para gerar um comportamento emocional favorável ao emagrecimento, que se traduz na motivação, disciplina e tranquilidade, considerado impossível de ser alcançado pelo cliente. Em um mundo onde a expectativa de vida é cada vez maior, a obesidade continua como uma vilã, diminuindo a qualidade de vida e afetando inúmeras pessoas, desde a infância. Tratar o adulto de forma holística, não apenas mudando a alimentação, pode ser uma saída para diminuir também a incidência da obesidade nas crianças, uma vez que, quem cuida de si mesmo adquire maior capacidade de cuidar do outro.