Quem não se lembra de celebridades, cientistas, políticos virando – ou tentando virar – baldes de água com gelo sobre suas cabeças? Em 2014, o desafio do Balde de Gelo (Ice Bucket Challenge) se tornou um viral e conquistou o mundo inteiro. 

A brincadeira consistia em virar um balde de água de fria sobre a cabeça com o objetivo de fazer doações para a financiar pesquisas sobre a esclerose lateral amiotrófica (ELA - amyotrophic lateral sclerosis ALS), uma doença rara que afeta o sistema nervoso, levando a paralisia muscular e até mesmo a morte. 

Graças ao desafio, a campanha arrecadou cerca de recebeu US$ 115 milhões (aproximadamente RS 390 milhões), dinheiro que garantiu avanços na pesquisa da ELA, com a divulgação um gene relacionado à #Doença, o Nek1. 

A pesquisa realizada por John Landers (University of Massachusetts Medical School) e Jan Veldink (University Medical Center Utrecht) foi publicada recentemente na revista científica “Nature Genetics”, e contou com a participação de mais de 80 pesquisadores em 11 países. 

Para os especialistas, a descoberta pode abrir as portas para novos tratamentos.

Publicidade
Publicidade

A esclerose lateral amiotrófica não tem cura e afeta 3 indivíduos a cada 100 mil pessoas. Apenas por comparação, uma doença mais comum, o câncer de pele, afeta 65 indivíduos a cada 100 mil pessoas. 

Um pequeno passo, porém um grande avanço 

Como se trata de uma doença incomum, a indústria farmacêutica, de uma maneira geral, prefere financiar estudos sobre doenças que afetem grande parte da população, fazendo com que o tratamento da ELA ande a passos lentos. 

Esta nova descoberta, por exemplo, ainda é um pequeno passo na luta para desvendar a doença. Isso porque, segundo o explicado pelos pesquisadores, gene Nek1 está associado a apenas 3% dos casos de esclerose lateral amiotrófica. Porém, a comemoração na comunidade científica foi gigantesca, já que representa o primeiro passo para entender como se comportam os genes de pessoas afetadas pela ELA. 

A doença, que só no Brasil atinge cerca de 12 mil pessoas, afeta o físico teórico Stephen Hawking, que descobriu ser portador da doença aos 21 anos e hoje, aos 74, continua ativo e é responsável pela formulação de teoremas sobre cosmologia, gravidade quântica e as origens do universo.

Publicidade

Alguns dos famosos afetados pela ELA são Washington César Santos (jogador de futebol), Jason Becker (guitarrista), Lane Smith (ator) e Ezzard Charles (boxeador). 

Relembre o Desafio do Balde de Gelo 

Divirta-se revendo os desafios que deram certo e também os que deram errado!

   

#Saúde #Ciência