Especialistas britânicos em surtos de doenças acreditam que a atual epidemia de Zika vírus, que assola a América Latina, deverá acabar dentro de, no máximo, três anos. Para chegar a tal estimativa, os cientistas basearam sua previsão em uma modelagem que utilizou todos os dados disponíveis sobre a doença.

O Zika normalmente é transmitido por picadas do mosquito Aedes aegypti, mas a infecção também pode ocorrer via relação sexual. Nesta sexta-feira (15), inclusive, os Estados Unidos registraram o primeiro caso de transmissão sexual onde uma mulher passou o vírus para seu parceiro.

Para a maioria das pessoas, o risco que o #Zika Vírus representa para a saúde é suave.

Publicidade
Publicidade

No entanto, quando a infecção ocorre durante a gravidez, pode desencadear a microcefalia, um defeito congênito grave onde os bebês nascem com cabeças demasiado pequenas, além de apresentarem problemas neurológicos.

Fim da epidemia

Neil Ferguson, pesquisador-chefe da equipe que afirmou que a epidemia de Zika vírus poderá acabar em três anos, disse que a análise feita pelo time de pesquisadores permite uma avaliação sobre a ameaça em um futuro iminente.

Em relatório divulgado no dia 14 de julho pela revista Science, a equipe de Ferguson reuniu todos os dados existentes sobre a transmissão de Zika na América Latina. Então, os cientistas relacionaram essas informações com surtos de vírus semelhantes, como a dengue, e criaram um modelo que representa a epidemia atual, assim como futuros padrões de transmissão.

Publicidade

As pessoas que já foram infectadas com Zika vírus não são suscetíveis de reinfecção. Assim, os autores do estudo estimaram que em três anos a epidemia terminará, devido a um efeito mais conhecido como “imunidade de rebanho”.

Ferguson explica o que o termo significa: "Uma vez que o vírus é incapaz de infectar a mesma pessoa duas vezes - graças à geração de anticorpos pelo sistema imunológico para matá-lo - a epidemia atinge uma fase em que existem muito poucas pessoas restantes para infectar, para que a transmissão seja sustentada". Isso significa que o Zika não pode crescer novamente entre a população latino-americana por pelo menos uma década, quando uma nova geração de pessoas sem exposição ao vírus vai surgir.

Entretanto, Ferguson afirmou que o atual surto já está muito espalhado, de modo que é difícil reduzir o número de casos de infecções, e que esforços para conter a epidemia deveriam ter sido tomados muito mais cedo. Por isso, salienta o pesquisador, esforços para a produção de uma vacina devem ser incentivados. #Doença