Quantas vezes já aconteceu de você caprichar no banho, colocar a sua melhor roupa, e, na intenção de causar a melhor das impressões, ainda borrifa “aquela” colônia maravilhosa com todo o cuidado nos pontos mágicos (atrás das orelhas, na nuca, nos pulsos) e sair todo (a) confiante para aquele compromisso importante. No entanto, no meio do caminho você se dá conta de que esqueceu uma coisa muito importante. Essencial para garantir a sensação de frescor até o final do dia: o desodorante nas axilas.

Pronto, toda a confiança foi por água abaixo. A naturalidade e liberdade de movimentos ficam reprimidos, definitivamente não dá para arriscar levantar os braços, sem contar a preocupação e dúvida que fica rondando: será que alguém vai sentir o (mau) odor da minha transpiração?

Então você se pega fazendo a seguinte questão: qual a necessidade que o nosso corpo tem de suar a maior parte do tempo? E mais: por que precisa vir acompanhado desse cheiro tão característico, já que é apenas água que sai do nosso corpo?

Na verdade, o suor é, realmente, inodoro, sem cheiro, porque ele é 99% água. Porém sobra 1% em sua composição, e que é o grande causador do cheiro característico e popularmente chamado de: Cê-cê. E porque tem pessoas que tem um suor com cheiro característico “razoável” e outras que tem um cheiro que lembra muito uma de cebola podre, terrível e insuportável?

Bom, nesse caso, vai depender também dos hábitos de higiene (ou a falta deles), genética ou a alimentação de cada pessoa.

Publicidade
Publicidade

Sim, o que você ingere interfere muito no cheiro que o seu corpo libera junto com o suor. E o resultado pode ser desastroso.

Mas então qual é a função do suor e por que precisamos dele?

Considera-se que a temperatura corporal ideal seja mantida sempre perto dos 36,5°C. O corpo humano, sendo essa máquina fantástica, sempre vai procurar manter a temperatura equilibrada estando frio ou calor. E o suor é um mecanismo natural do corpo, que o produz com a finalidade de resfriar e regular a nossa temperatura, de acordo com o ambiente em que estamos.

De fato, o suor é, por si só, inodoro. Ao ser eliminado pelas glândulas sudoríparas (écrinas) apresenta quase 99% de água, porém ele contém ainda “aquele” 1% produzido pelas glândulas sudoríparas apócrinas e que carregam os sais minerais, células mortas e algumas substâncias toxicas que são trazidas pelo sangue e eliminadas no metabolismo (enxofre de alguns alimentos, remédios, drogas e o álcool, por exemplo).

Publicidade

Isso mesmo. Tudo o que você ingere é eliminado de alguma forma pelo nosso corpo. E quanto mais acentuado for o gosto e o cheiro do alimento, remédios, bebidas e até mesmo drogas, certamente seu suor terá um “fundinho” do odor do que foi ingerido. As bactérias que habitam na superfície da nossa pele, também interferem no cheiro do suor, porque alteram as suas características. Portanto, uma pele sempre limpa irá diminuir a incidência desse suor mau cheiroso.

Alimentação x odor da transpiração

Estudos apontam que alguns alimentos quando consumidos em excesso, liberam substâncias que intensificam o cheiro do suor e que ao controlar ou evitar a ingestão desses alimentos é possível obter bons resultados na luta contra os maus odores da transpiração.

 São eles: 

  • Carnes, ovos e laticínios –  Em excesso aumentam a produção de amônia que tornam o cheiro de suor mais forte.
  • Alho, brócolis, cebola, couve-flor, repolho, feijão – Alimentos com enxofre em sua composição comprovadamente agravam o mau cheiro. 
  • Condimentos e pimenta – Por serem termogênicos, liberam adrenalina e faz com que o corpo transpire mais. 
  • Cafés e chás com cafeína – também são termogênicos (elevam a temperatura corporal) e aumentam o suor.

Suar é uma condição natural do corpo, no entanto o mau odor pode e dever ser controlado para garantir dias com mais frescor e segurança.

Publicidade

#Dicas #Curiosidades #Saúde