No filme O Exterminador do Futuro 2 (1991), Arnold Schwarzenegger retorna ao passado para proteger John Connor de um robô enviado do futuro para matá-lo. Formado por um tipo de liga metálica capaz de se autorregenerar, o androide assassino custa a ser eliminado pelo antigo modelo vivenciado no papel de Schwarzenegger, o T-800.

Embora a ideia de máquinas programadas para matar pareça improvável no mundo real, uma equipe de engenheiros da Universidade RMIT em Melbourne (Austrália), anunciou a descoberta de uma liga metálica semelhante à usada no androide T-1000.

De acordo com o periódico europeu Express, a equipe de cientistas responsável por desenvolver o material, alega que ele poderá ser aplicado em dispositivos eletrônicos, como os robôs, por exemplo.

Publicidade
Publicidade

Apesar dos estudos sobre a potencialidade do material serem recentes, pesquisadores avaliam a possibilidade de autômatos constituídos dessa liga se tornarem ‘indestrutíveis, como o androide T-1000 – composto pelo mesmo tipo de química.

Conforme o líder da equipe à frente da pesquisa, Kourosh Kalantar-Zadeh, eles descobriram o novo produto ao depositar uma gota de metal líquido na água. Contudo, para atingir o resultado foi necessário fazer alguns ‘ajustes’.

Kourosh explica que a ‘mágica’ aconteceu quando a equipe reparou as concentrações dos produtos químicos presentes na água. Os cientistas equilibraram os níveis de componentes ácidos, bases e os sais contidos no líquido, antes de observarem o efeito ‘T-1000’.

Segundo o cientista, bastou ajustar a química da água para as gotas de metal líquido se moverem e mudarem de forma, “sem qualquer necessidade de estímulos mecânicos, eletrônicos ou ópticos”.

Publicidade

Ainda que pareça leviano conjecturar sobre a hipótese de androides formados por esse tipo de líquido surgirem no mercado militar num futuro próximo, o pesquisador acentua o fato da liga metálica ser empregada à essa finalidade.

"Eventualmente, utilizando os fundamentos desta descoberta, pode ser possível construir um humanoide de metal líquido 3D na demanda, como o T-1000 Terminator", revela.

Ele também destaca que por meio da descoberta foram capazes de criar “objetos em movimento, interruptores e bombas que poderiam operar de forma autônoma”.

Ao que tudo indica, a ‘rebelião das máquinas’ está cada vez mais próxima.

#Inovação #Mídia #Curiosidades