Cientistas e pesquisadores da #Nasa (National Aeronautics and Space Administration – Administração Nacional da Aeronáutica e Espaço, em tradução livre) estão prestes a enviar uma sonda para estudar o asteróide Bennu.

Descoberto em 1999, cálculos apontam que o asteroide pode colidir com a Terra por volta do ano de 2135, o que dizimaria grande parte da vida existente no planeta, razão pela qual Bennu foi apelidado de “asteroide da morte”. De acordo com cientistas, a probabilidade da colisão ocorrer é de 1 em 2,5 mil, índice considerado por matemáticos.

Só para se ter uma ideia, a chance de alguém acertar na Mega-Sena com a aposta mínima, de seis números, é de 1 em 50 milhões, já a probabilidade de desenvolver uma doença como câncer de pele é de 60 para 100 mil habitantes.

Publicidade
Publicidade

Ficou assustado? Cientistas e cosmólogos do mundo inteiro também estão!

O fim está próximo?

Para parte da comunidade científica, a resposta para esta questão é 119 anos! Os mais pessimistas afirmam que Bennu, além de colidir com a Terra, também irá alterar a rota da Lua, o que pode trazer muitas outras catástrofes para aqueles que vierem a sobreviver depois da colisão.  A crença de que uma grande desgraça de proporções inimagináveis é tão forte que esse asteroide foi batizado "carinhosamente" com o nome de uma ave egípcia mitológica, com fortes associações ao fim do mundo!

Mas muita calma! Nem todos acreditam que Bennu está destinado a colidir com nosso planeta. Também há aqueles acreditam que o asteroide vai passar próximo o bastante para causar um grande susto e danos mínimos, mas não colidirá conosco.

Publicidade

Teorias à parte, a verdade é que a página oficial do projeto está postando diversos dados sobre a missão, como a chegada do foguete que irá lançar a sonda Osiris-Rex.

Osiris-Rex seria nossa salvação?

Para os envolvidos neste projeto, a sonda Osiris-Rex, que será lançada no início de setembro, será responsável por coletar informações sobre a rota de Bennu, o que será de grande importância para determinar se os cálculos feitos até o momento estão realmente certos.

A expectativa é que  Osiris-Rex chegue ao asteroide em 2018 e retorne a Terra em 2023. Para conseguir atingir seus objetivos, a sonda precisa “sobreviver” ao percurso de ida e de volta, o que para os cientistas não será um problema. A sonda enviada ao “asteroide da morte” tem suas particularidades. A primeira delas vem de seu nome: Osiris é o deus egípcio da morte, Rex significa rei em latim. Outra é que será a primeira sonda construída sem partes móveis, o que diminui riscos de avarias durante a missão.

Além disso, a missão também pretende coletar materiais orgânicos, carbonatos e silicatos, e níveis de água absorvida na superfície de Bennu, o que pode ser de extrema importância para os estudos da origem do sistema solar e da vida.  #Curiosidades #É Manchete!