Embora a Terra esteja situada numa zona habitável – nem muito quente, nem muito fria -, e seja considerada potencialmente segura, com poucas chances de sofrer o impacto de grandes asteroides, cientistas alertam que o nosso planeta pode ser afetado pelo evento cósmico mais devastador já conhecido pela ciência: explosões de raios gama.

Capaz de liberar mais energia em um segundo do que o Sol em dez milhões de anos, esse fenômeno, que costuma acontecer em galáxias distantes, tem potencial para pulverizar o mundo caso ocorra em regiões próximas.

Estudiosos não descartam essa possibilidade. De acordo com o periódico europeu Daily Mail, edição de quarta-feira (3), há uma pequena chance de uma explosão de raios gama ser originada perto da Terra.

Publicidade
Publicidade

Nesse cenário, não teríamos nem tempo de observar o acontecimento, morreríamos num ‘piscar de olhos’. Para situá-lo melhor sobre o poder destrutivo dessa erupção cósmica, saiba que o jato de ondas eletromagnéticas liberado por essas explosões é tão intenso que, apesar de viajar milhões de anos-luz, ainda pode ser observado do nosso planeta.

Com objeto de elucidar as consequências de uma erupção de raios gama (GRBs, sigla em inglês) na nossa galáxia, um vídeo (legenda em português), elaborado por cientistas, postado no Youtube em 31 de julho, explana sobre as consequências desse episódio na Via Láctea.

Segundo os pesquisadores, essa descomunal liberação de energia proveniente de buracos negros, gerada a partir da morte das estrelas, pode resultar em GRBs curtas ou longas. De acordo com o vídeo, as erupções de raios gamas longos duram cerca de um minuto.

Publicidade

Cientistas acreditam que elas são produzidas por supernovas – “quando o núcleo de uma estrela massiva colapsa para se tornar um buraco negro”.

No entanto, as GRBs curtas duram bem menos, apenas um segundo. Apesar do reduzido período de duração elas têm maior concentração energética de raios gama. Suas erupções podem ocorrer quando estrelas de nêutrons colidem entre si, ou contra buracos negros, por exemplo.

Ainda que a camada de ozônio nos proteja contra a maioria dos raios gama encontrado no espaço, por outro lado, ela seria impotente caso sejamos afetados por uma explosão de raios-gama, considerada muito mais destrutiva do que os detectados naturalmente no cosmos.

A ciência avalia que uma erupção capaz de dizimar a humanidade poderia acontecer até a alguns milhares de anos-luz de nós. “Nosso ozônio não seria forte o suficiente para nos proteger neste caso”, diz o vídeo.

Porém, antes que você perca o sono com medo de ser ‘fritado’ pelos raios-gama, pesquisadores acentuam que explosões desse tipo acontecem uma vez a cada um milhão de ano na nossa galáxia (Via Láctea). Em resumo, a menos que você seja imortal, é provável que já esteja morto antes de presenciar o fenômeno.

#Universo #Mídia #Curiosidades