Bela Gil é uma famosa apresentadora do mundo culinário. Ela faz questão de expressar os seus dotes na cozinha realizando diversos pratos gastronômicos, saudáveis e diferentes. Ela conta que seus hábitos saudáveis também influenciaram no nascimento do seu segundo filho, Nino, que ocorreu no mês de maio deste ano, tendo um parto natural, sem precisar sofrer com intervenções médicas. Isso é muito comum entre o sexo feminino, pois muitas mulheres sabem que a recuperação de um parto natural é mais rápida e trás inúmeros benefícios à #Saúde da mulher.  Bela também contou que optou em comer a sua própria placenta, e com isso muitas dúvidas surgiram sobre o assunto.

Publicidade
Publicidade

Em entrevista para a Revista Veja, ela revelou os seus projetos profissionais e pessoais, porém o assunto não parou por aí. Ela também expressou a sua indignação em não poder ter um médico acompanhando o seu parto que aconteceu em sua casa (esse tipo de atendimento é proibido pelo Cremerj), e logo depois contou que a sua placenta não foi descartada como acontece normalmente. Bela explica que a placenta foi um dos ingredientes presentes em uma vitamina de banana e mel feita por ela, e que sua filha mais velha também bebeu a mistura para comemorar o nascimento do mais novo integrante da família. A ingestão da placenta é conhecida como placentofagia, e muitas mulheres consumem o órgão seco e transformado em cápsulas na prevenção e tratamento da depressão pós-parto.

Mas será que ingerir a placenta pode trazer alguns benefícios?

O ginecologista e também obstetra, Dr.

Publicidade

Rodrigo da Rosa Filho, explica que o órgão é uma fonte rica em hormônios, como a ocitocina e prostaglandinas, e também ferro. A ingestão da placenta pode oferecer mais energia e colaborar com a reposição sanguínea da mulher, mas ainda não existe nenhum estudo comprovando que o órgão oferece os hormônios necessários para ajudar na involução do útero e também na produção de leite materno.

A prática está se tornando cada vez mais normal, e as mulheres que estão aderindo contam que nem tudo que faz bem para a saúde já foi extensamente estudado. Elas afirmam que o consumo da placenta é uma fonte inacreditável de nutrientes benéficos à saúde feminina.

O ginecologista fala que consumir a placenta pode realmente oferecer alguns benefícios, porém enquanto isso não for comprovado cientificamente, ele não vai ser contra e nem a favor, apenas vai respeitar a opinião das mulheres que estão adquirindo o consumo da placenta.

Para que isso não gere nenhum problema para a saúde, é preciso ter alguns cuidados na hora do consumo. Algumas mulheres a consomem logo depois do parto, misturando em vitaminas e sucos; outras já preferem consumir em pedaços. O médico diz que é necessário ter muito cuidado com as praticas que se tornam virais na internet, pois nem todas podem trazer os benefícios esperados. #Comportamento