Qual seria o corpo ideal? Como seria o corpo perfeito? Se você pensou naquela silhueta de modelo, com pernas finas e ossos aparentes, você se enganou. A ciência definiu o #corpo mais perfeito do mundo e, acredite, ele está fora dos nosso padrões de beleza atuais.

O corpo mais perfeito do mundo

#universidade do texas elegeu o corpo mais perfeito do mundo e é diferente de tudo o que estamos acostumados a ver. Diferente do que mostram as capas de revistas e as passarelas, os corpos altos e magros, quase impossíveis de serem conquistados, não são considerados os corpos ideais pela ciência. 

Depois de alguns estudos, a universidade declarou Kelly Brook como a dona do corpo mais perfeito.

Publicidade
Publicidade

A atriz e modelo chegou para quebrar os paradigmas e provar que o perfeito é real.

Quem é Kelly Brook?

Kelly tem 34 anos, 1,68 de altura e uma silhueta livre de cirurgias estéticas. A idade, as feições, os lábios, o nariz, os cabelos, o rosto como um todo e as suas medidas foram levadas em conta para chegar ao conjunto da "perfeição".

Para os pesquisadores, a modelo e atriz possui todas as suas partes proporcionais, por isso, ela é considerada tão perfeita. Cintura, busto e quadril... Tudo está equilibrado, de acordo com os estudiosos da universidade. 

O resultado mostra uma beleza livre de estereótipos, mas totalmente flexível e possível.

Logo depois de ter ganho o tal título, Kelly ficou famosa no mundo todo. Sua página no Instagram, por exemplo, ganhou vários e vários seguidores. Hoje, a modelo e atriz tem mais de 613 mil seguidores.

Publicidade

Aproveitando a fama, ela postou uma foto seminua que levou a internet à loucura. 

Vale lembrar: esse é um estudo e não uma regra, ok?! Ninguém está ditando que você deve ser como a Kelly, essa é apenas uma referência oferecida pela ciência, que mostrou como que é possível quebrar paradigmas. Essa é uma pesquisa, não uma conclusão.

E você, o que achou do corpo mais perfeito do mundo? Você concorda com esse resultado? Ou você prefere outros tipos de corpos? E você concorda que essa é uma quebra de paradigmas? #Kelly Brook