Uma “#Doença cruel”. Assim uma jovem inglesa define a anorexia, doença que quase a matou e que a fez chegar a pesar apenas 30 quilos.

Hannah Koestler, de 22 anos, passou por momentos dramáticos e agora está utilizando todo o seu difícil aprendizado para alertar outras jovens quanto aos riscos desse mal. Para isso, ela começou uma campanha na rede social Instagram.

Em seu perfil, ela passou a divulgar imagens de como ficou quando o transtorno alimentar estava no auge. As fotos são da época em que Hannah teve de ser internada para não morrer, diante do enfraquecimento e desnutrição causados pela enfermidade.

A jovem agora quer que o susto gerado pelas fotografias de seu corpo funcionem como um “chacoalhão” para as adeptas da magreza extrema.

Publicidade
Publicidade

Segundo o jornal britânico The Sun, Hannah admite que as imagens são fortes, mas entende que tem o dever não esconder a verdade na tentativa de abrir os olhos de potenciais vitimas.

Ela afirmou à reportagem que a anorexia é uma doença cruel, pois destrói o corpo e a mente. E concluiu que as fotos são para impedir as pessoas de desenvolver transtornos alimentares em silêncio. O maior conselho é que elas enfrentem a doença procurando ajuda especializada.

Hannah chegou a um grau tão intenso de magreza que precisou usar sondas para se alimentar. Até mesmo tubos de respiração foram usados para evitar a sua morte.

Depois de passar algum tempo comendo apenas três biscoitos integrais por dia, a jovem ficou tão magra que só podia vestir roupas infantis. Foi quando passou a ter queda de cabelo extrema e até falência de órgãos.

Publicidade

Ela conta que sua doença foi diagnosticada em novembro de 2011. Com a ajuda de familiares ela procurou ajuda médica.

Mas as coisas aconteceram gradualmente. Quando mais nova, Hannah comia normalmente, porém, foi ficando cada vez mais seletiva com alimentos sem perceber que era vítima de um transtorno. Em 2012, vendo a proporção que a enfermidade tomou, os pais de Hannah ficaram desesperados e a internaram. Só no ano seguinte ela conseguiu voltar a se alimentar de forma saudável.

Hoje a britânica é universitária e faz o que pode para aconselhar os seus mais de 120 mil seguidores no Instagram sobre os riscos da anorexia. Diariamente internautas com o mesmo problema a agradecem por enviar inspiração para superar transtornos alimentares. #Saúde