Titã, a maior lua de Saturno, e a segunda maior de todo o sistema solar, depois de Ganímedes (Júpiter), volta a repercutir no cenário astronômico global, após a Agência Espacial Americana (NASA) divulgar recentes imagens das gigantescas dunas do satélite natural.

As recentes fotos de Titã, captadas pela sonda espacial Cassini, que desde 2004 orbita Saturno e os principais satélites daquele planeta, composto por 68 luas, expostas pela NASA no início de setembro, tem impressionado os cientistas envolvidos no projeto, que também conta com a participação da Agência Espacial Europeia (ESA).

Conforme a #Mídia especializada norte-americana Space.com, as fotografias mostram em detalhes características das dunas de Titã.

Publicidade
Publicidade

O registro só foi possível devido a maior aproximação da sonda. No momento das fotos ela estava apenas a 976 quilômetros (km) sobre o hemisfério Sul do astro.

Entre as novas fotografias está a de uma região do satélite chamada pelos pesquisadores de ‘Shangri-la, Areia, Mar”. Segundo a NASA, essa área é formada por centenas de dunas de areias longas e lineares. Contudo, o ambiente onde os bancos de areia estão recebe pouca luminosidade.

No entanto, o local de maior destaque, batizado de ‘anexo Xanadu’, fotografado pela primeira vez este ano, surpreendeu os astrônomos pelas paisagens semelhantes aos desertos existentes na Terra.

Embora a localidade conhecida como Xanadu tenha sido observada pela sonda Cassini em 1994, essa é a primeira vez que a nave captura imagens do ‘anexo Xanadu’, situado ao Sul daquele território.

Publicidade

Estudiosos comentam sobre a dificuldade em avaliar a superfície de Titã. Eles destacam o fato da atmosfera daquela lua ser intensamente nebulosa e espessa.

Porém, acentuam que a Cassini está equipada com radar especial que permite ver através da névoa. Devido a tecnologia empregada na sonda, eles puderam perceber com maior nitidez o interior do satélite.

Dunas parecidas com as da Terra

Entretanto, ao contrário das dunas do nosso planeta, compostas por areia de silicato, a areia de Titã contém hidrocarbonetos granulados.

Em síntese, pesquisadores esclarecem que as dunas do satélite, literalmente vieram do céu. É que esse material se forma na atmosfera do astro, antes de se precipitar ao solo.

Cientistas argumentam que o tamanho médio das dunas (91 metros) equivale aos maiores montes de areia da Terra. Eles também apontam que essas estruturas poderão revelar informações sobre o solo e os padrões de vento existentes no local.   

Lagos e mares

De acordo com o comunicado da Agência Espacial Americana, essas são as últimas imagens do território Sul de Titã.

Publicidade

Nos próximos meses a sonda passará o resto da missão analisando lagos e mares localizados ao Norte do satélite.

Em 2017, a sonda encerrará a missão ao ‘mergulhar’ na gélida atmosfera do gigante gasoso Saturno.

Até lá, nada impede que outras novidades surjam dos mares e lagos de Titã. Afinal, onde há água, há vida.

Veja abaixo o vídeo disponibilizado pelo Laboratório de Propulsão a Jato da NASA.

#Espaço #Curiosidades