O primeiro bebê concebido sob a técnica de reprodução assistida que emprega o #DNA de três pais diferentes nasceu no México, segundo um artigo publicado pela revista britânica 'New Scientis'.

O bebê, Abrahim Hassan, já tem cinco meses e nasceu graças ao controverso método conhecido como transferência mitocondrial, que usa o DNA do pai, da mãe e de uma terceira pessoa.

A mãe de Abrahim, Ibtisam Shaban, portava um grave e fatal distúrbio genético chamado de síndrome de Leigh, que consiste em uma desordem mortal que afeta o sistema nervoso em desenvolvimento e são passados da mãe para o bebê.

Apesar de Ibtisam ser uma pessoa saudável, cerca de um quarto de suas mitocôndrias carregavam genes ligados a essa síndrome, por isso teve dois abortos espontâneos em gravidezes anteriores.

Publicidade
Publicidade

Com o desejo de poder ter um filho saudável, Ibtisam e seu esposo Mahmoud Hassan pediram a ajuda de um especialista em fertilidade, John Zhang, e sua equipe do Centro de Fertilização de New Hope de Nova Iorque, nos Estados Unidos.

Zhang retirou o núcleo de um dos óvulos de Ibtisam e inseminou no óvulo de uma doadora saudável, que já havia sido retirado de seu próprio núcleo. O ovo resultante com DNA nuclear de Ibtisam e o DNA mitocondrial da doadora foram fertilizados com o esperma do pai. Assim, dessa maneira criaram cinco embriões, dos quais apenas um se desenvolveu normalmente e foi implantado na mãe, que após nove meses deu à luz a um bebê saudável.

Esta técnica, que permite que os pais com raras mutações genéticas concebam crianças saudáveis, foi aprovada no Reino Unido em 2015, no entanto, até o momento nenhum outro país introduziu leis que permitam esse procedimento.

Publicidade

O principal objetivo deste tratamento é de ajudar as famílias em que os pais têm um grande risco de transmitir doenças genéticas para seus filhos.

Embora o método utilizado neste caso seja novo, alguns médicos na década de 90 tentaram criar um bebê que usava o DNA de três pessoas, mas os bebês passaram a desenvolver várias doenças genéticas, fazendo com que essa técnica fosse abandonada. #Saúde #Tecnologia