De acordo com as últimas pesquisas em relação aos tumores, descobriu-se que as células doentes crescem de forma desigual, surgindo no seu interior outras células que não necessitam de oxigênio para se multiplicar. A maioria destas células doentes são muito resistentes aos tratamentos convencionais, como quimioterapia ou radioterapia. Pensando nisso, cientistas norte-americanos estão desenvolvendo um ideia inovadora: enviar a bactéria Clostrimidium novyi para áreas do organismo afetadas por tumores.

De acordo com últimas pesquisas, a bactéria poderá dar uma boa resposta imediata em tratamentos convencionais, por se tratar de um microrganismo anaeróbico, ou seja, não precisa de oxigênio para seu desenvolvimento.

Publicidade
Publicidade

Segundo cientistas, há pelo menos três tipos de #bactérias que estão sendo testadas, todas responsáveis por causar um certo tipo de infecção que causa inchaços, dores pelo corpo e febre alta, entre outros sintomas. Apesar de ser considerada boa ideia, o maior problema se dá pelo fato do microrganismo incluir um gene responsável pela produção de uma substância tóxica para o organismo, tanto de humanos quanto de animais.

Por conta disso, seu DNA foi apagado e transformado em uma bactéria transgênica. Após passar por esta transformação, a bactéria foi injetada em um rato de laboratório diagnosticado com um tumor no cérebro. Depois, o mesmo teste foi realizado em cães que haviam desenvolvido a doença naturalmente, e por último o teste foi realizado em um homem de 53 anos, no qual a doença já havia se espalhado por todo organismo.

Publicidade

Uma vez instalada dentro do organismo, a bactéria foi capaz de combater as células cancerígenas de uma só vez, alimentando-se dos restos de tumores afetar os tecidos saudáveis.

Apesar de estarem satisfeitos com os testes, os pesquisadores afirmaram que a maioria dos tumores são de natureza heterogênea; isso explica por que um único método de tratamento não é o suficiente para destruí-los por completo. Sendo assim, a estratégia das bactérias poderá tornar-se muito eficiente, auxiliando na redução de diversos tipos de tumores. Todavia, é muito cedo para os pesquisadores confirmarem quais tipos seriam mais vulneráveis ao tratamento. #Curiosidades