É notório o ódio que os cidadãos apresentam em relação a espinhas e/ou cravos, porém, é uma das coisas mais normais na fase da adolescência, na qual os hormônios são mais quantitativos. Desse modo, quem apresenta um elevado número de espinhas e cravos, pode se animar, pois futuramente terá ótimos benefícios relacionados a baixa quantidade de rugas.

Segundo o site G1, no Brasil, a acne atinge aproximadamente 90% dos adolescentes e metade dos adultos. Com base nesse percentual, percebemos que a maior parte da população brasileira já foi alvo desse tormento tão temido por grande parte dos cidadãos.

Os cientistas perceberam que o segredo dessa versão é uma estrutura cromossômica mais conhecida como telômero, sendo assim, é considerada uma capa protetora para as pontas do cromossomo.

Publicidade
Publicidade

Desde então, eles notaram que, quanto mais resistente essa capinha fosse, mais #Acne você teria, ou seja, menos rugas iriam estar presentes futuramente na fase adulta ou na velhice. A explicação apresentada foi a seguinte: Os telômeros diminuem cada vez mais com o passar do tempo, o que resulta no aparecimento das rugas e envelhecimento do indivíduo.

Os cientistas que realizaram esse estudo são do King's College, a tradicional instituição de ensino superior localizada na Inglaterra, no Reino Unido. Eles decidiram levar os processos de estudos para a prática, quando mediram o comprimento dos telômeros de glóbulos brancos de aproximadamente 1.205 irmãs gêmeas. De todas essas mulheres, 25% destas sofriam com acne. Um fator importante e que deve ser lembrando é: "Quem sofre de acne, certamente apresentará telômeros mais compridos".

Publicidade

Em tese, os estudantes conseguiram provar, nitidamente, que esta prática acontece, e isso influencia cada vez mais na vida das pessoas, principalmente na dos jovens, que sofrem até mesmo bullying na escola por apresentar uma grande quantidade de espinhas, um ânimo a mais para esses adolescentes, e uma esperança que ficará dependente desses seres ao decorrer da suas vidas.. #adolescente #Espinha