Depois de todos esses séculos de martírio, carregando sobre si a inteira responsabilidade de trazer o pesadíssimo fardo de gerar, conceber ou até recusar uma nova vida, as mulheres agora podem se ver livre de pelo menos um desses flagelos.

Apesar das várias formas contraceptivas existentes, nem todas elas trazem conforto e segurança  às mulheres, quando não são as pílulas com suas fórmulas que causam as mais variadas adversidades como: variações de humor, alteração de peso e diminuição de libido, também tem o inconveniente de carregar dentro de si um corpo estranho de cobre como o DIU. Além do problema que algumas enfrentam quando optam pela laqueadura, mas não a conseguem porque não tiveram filho ainda.

Publicidade
Publicidade

O método contraceptivo hormonal injetável pode deixar de pertencer exclusivamente ao universo feminino, conforme estudo recentemente realizado. A versão do método para homens, que consiste em duas injeções de progesterona e testosterona, foi desenvolvida pela OMS e pela Faculdade de Medicina Oriental da Virginia.

Foram submetidos a pesquisas 320 homens em sete países, incluindo Alemanha, Austrália, Chile, Índia, Indonésia e EUA. Os homens, que possuíam índice normal de esperma, tinham parceiras fixas cientes da pesquisa. Mas para garantir a normalidade desses índices, a contagem de esperma teve que ser verificada no início dos estudos.

As injeções foram aplicadas a cada oito semanas e os voluntários ficaram sob monitoramento por até seis meses, período durante o qual eles utilizaram métodos contraceptivos não hormonais.

Publicidade

O resultado foi a diminuição da quantidade de esperma a um nível onde a gravidez se torna impossibilitada, ou seja, a contagem de esperma chegou a menos de um milhão, conforme informado pelos especialistas que ainda ressaltaram que as injeções precisam ser tomadas a cada dois meses, pra que sua eficácia seja mantida.

Os estudos apontaram o surgimento de vários efeitos colaterais que consistem em: dor, acne, aumento na libido, distúrbios de humor e depressão. Mas os pesquisadores informaram que estão trabalhando no sentido de aprimorar a combinação de contraceptivos hormonais na tentativa de amenizar tais efeitos. 

Um total de vinte homens receosos quanto aos efeitos medicamentosos abandonaram o estudo, em contrapartida, mais de 75% dos participantes relataram estarem dispostos a manter a utilização do método pela contracepção. #sexo #Casal #Casamento