As organizações Sanofi Pasteur - divisão de vacinas da Sanofi, Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e Laboratório do Departamento de Defesa dos Estados Unidos - Walter Reed Army Institute of Research (WRAIR) - assinaram na última quinta-feira (27), o acordo Princípios da Colaboração, que consiste na união de expertises e recursos afim de acelerar a busca da vacina contra o Zika.

"A Fiocruz, o WRAIR e a Sanofi Pasteur têm uma história de colaboração", esclarece John Shiver, PhD, Vice-presidente Sênior de P&D da Sanofi Pasteur. "Em termos de #Saúde pública faz todo o sentido que combinemos a nossa experiência e recursos com a Fiocruz, idealmente localizada no Brasil, onde está o foco das experiências atuais sobre Zika.

Publicidade
Publicidade

Temos o objetivo comum de desenvolver uma vacina para prevenir esta emergente ameaça de doença imposta pelo Zika Vírus".

Ao complementar as atividades, a possibilidade de êxito para uma vacina eficaz e segura aumenta consideravelmente e o acordo não impede as organizações envolvidas de desenvolver individualmente seus trabalhos contra o vírus ou que colaborem com projetos de outras organizações.

Apoio para pesquisa e desenvolvimento

O WRAIR acordou com a Sanofi Pasteur, por meio do CRADA, em fornecer para a organização a vacina com o vírus inativo para que, em continuidade, seja produzida na fase II, uma vacina para teste clínicos e patrocinará estudos para a fase I.

A Sanofi Pasteur também obteve sucesso em uma proposta de financiamento para a fabricação da vacina com vírus inativo fase II e estudos clínicos fase I, feita ao Biomedical Advanced Research and Development Authority (BRADA), do Gabinete do Secretário Adjunto de Prontidão e Resposta do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA, que prosseguirá com o apoio para a fase III no desenvolvimento industrial e clínico.

Publicidade

Contudo, a Fiocruz incluirá ao desenvolvimento do processo os estudos epidemiológicos, avaliação pré-clínica e clínica da vacina, além de otimizar os estudos clínicos.

O Zika Vírus

Transmitido pelo mosquito Aedes aegypti, o mesmo transmissor da Dengue e Febre Chikungunya, a doença desenvolvida tem como principais sintomas: febre, dor nas articulações, dor muscular, dor de cabeça, erupção cutânea, conjuntivite e dores abdominais. Apresenta evolução e duração de 3 a 7 dias. O diagnóstico e feito por meio da observação dos sintomas e teste clínico. No Brasil os primeiros casos de Zika foram identificados no ano de 2015 no Rio Grande do Norte e na Bahia.

#Ciência #Zika Vírus