Vivienne Wardrop é mãe de Logan, um menino de apenas 10 meses. Um dia, ela foi ao supermercado fazer compras e levou seu filho também. Chegando lá, Vivienne pegou um carrinho de supermercado que já tinha um bebê conforto acoplado e lá posicionou Logan. Assim ela achava que ele estaria seguro, o que ela não imaginava é que garoto iria parar na UTI.

O que aconteceu?

Vivienne tinha feito as compras e voltou para casa com Logan. Porém, em menos de 24 horas, o menino começou a apresentar diarreia, vômito e febre. Ao longo do dia, os sintomas só pioravam. Foi quando Vivienne resolveu levar seu filho ao hospital.

Ao consultar um médico, o especialista explicou que Logan estava infectado por salmonela, rotavírus, adenovírus e até meningite.

Publicidade
Publicidade

O especialista alegou que o bebê conforto estava com os vírus e as bactérias, deixando o bebê com a saúde tão frágil que ele acabou desenvolvendo um quadro de meningite.

Logan ficou internado por dez dias, sendo que durante oito dias ele passou sob observação na UTI. Além de precisar passar por semanas de cuidados em casa.

O desabafo da mãe

Revoltada com a situação, Vivienne resolveu fazer um desabafo no Facebook. Em sua página na rede social, a mulher disse que seu objetivo é alertar outros pais sobre o uso dos carrinhos se supermercados. Essa mãe pede que os pais limpem as cadeirinhas para prevenir maiores problemas, já que ela mesma nunca havia cogitado essa possibilidade e sempre colocou seu filho no carrinho sem pensar muito. 

Ela ainda relata sobre a situação do seu bebê e conta que ele ficará 10 dias internado, sendo que depois precisará de uma semana ou duas para conseguir recuperar-se de forma completa.

Publicidade

“Então, por favor, tenham cuidado. Nunca pensei que algo assim pudesse acontecer”, a mãe que chorava copiosamente desabafou.

Como evitar?

Para evitar problemas como esses é indicado o uso de protetor descartável no bebê conforto compartilhado, ou que o objeto seja desinfetado com um pano com álcool. Para #Bebês pequenos, o "sling" e o canguru são mais indicados que o carrinho.

Com informações da revista Crescer #carrinho mercado #Maternidade