Duas histórias que a princípio não tinham nada em comum, acabaram se cruzando, primeiro por uma questão trágica, mas depois essa triste realidade acabou transformando-se em vida, e vida em abundância.

Os dois personagens principais são a carioca Ivonette Balthazar, com 66 anos de idade, e o alemão Stefan Henze, de 35 anos. A brasileira estava aguardando na fila de espera para ser submetida a um transplante cardíaco já por 20 meses e a mesma foi uma das agraciadas de receber, via autorização da família do doador, um coração “novo em folha”.

O coração era de Stefan, técnico alemão de canoagem slalom, o qual morreu tragicamente na região da Zona Oeste da cidade do Rio de Janeiro, depois que o táxi onde se encontrava bateu em uma mureta, no transcorrer dos Jogos Olímpicos 2016.

Publicidade
Publicidade

O alemão tinha atuado como atleta e ganhou a medalha de prata em Atenas 2004. Lamentavelmente, veio a óbito com o acidente e sua família autorizou que os órgãos do mesmo fossem doados. O coração foi para Ivonette e as córneas, rins e fígado de Henze foram direcionados para outras pessoas que estavam esperando na central estadual de transplantes. 

Ivonette Balthazar falou à reportagem que ficou extremamente emocionada com a família do técnico olímpico, e confirmou que a cirurgia dela foi feita no dia 15 de agosto, onde gradualmente está podendo recomeçar uma vida nova.

A mulher do Brasil precisou receber um novo coração, pois há quatro anos sofreu um infarto avassalador, indo parar às pressas no Instituto Nacional de Cardiologia e, depois de uma bateria de exames, os médicos constataram que ela precisava mesmo era de outro coração.

Publicidade

  

Depois de ficar um ano se tratando, a terapia não estava tendo mais efeito, e as funções vitais da paciente começaram a falhar, como que trazendo o prenúncio da morte. A carioca relatou que inicialmente ficou em estado de pavor; porém os procedimentos burocráticos aconteceram de modo simples, e ela se cadastrou no programa de doação de órgãos do governo para ser mais uma na fila do transplante. 

Ivonette inicialmente não sabia que o coração a ser recebido era do esportista da Alemanha e só teve conhecimento disso depois da realização da cirurgia que durou cerca de oito horas. 

A transplantada se apressou em mostrar a gratidão pelo ato de ter recebido o coração, uma vez que menos de dois meses depois da intervenção cirúrgica, Ivonette empenhou-se no alerta à sociedade sobre a real importância da doação de órgãos, panfletando na Semana Nacional da Doação de Órgãos, no centro da cidade.

Descanse em paz, Stefan, e que Ivonette possa ter uma vida longa, com muita saúde daqui para frente. #Hospital #Rio2016 #Tratamento