O Transtorno do Espectro Autista (TEA) é um distúrbio que afeta o sistema nervoso prejudicando a capacidade de se comunicar e interagir com as pessoas. Sem possibilidade de cura, a disfunção é amenizada por meio de tratamentos normalmente iniciados a partir dos primeiros cinco anos de vida, período onde o transtorno começa a se manifestar. Segundo a OMS (Organização Mundial de #Saúde) estima-se que, uma em cada 160 crianças sofrem com a doença. 

Como portador do #Autismo, Kainoa Niehaus, de cinco anos, não consegue se relacionar com outras pessoas fora de seu âmbito familiar. De acordo com a mãe, Shanna Niehaus, o menino não permite nem mesmo que ela o toque, o abrace ou dê um simples banho.

Publicidade
Publicidade

Segundo ela, várias tentativas foram realizadas para que Kainoa interagisse com outras crianças e criasse algum laço de amizade, porém por mais que ele próprio se esforçasse, a sua dificuldade em se comunicar acabava sendo maior que seu esforço. 

Procurando dar um fim no sofrimento do filho, a família, que mora no Japão, decidiu viajar para Ohio, nos Estados Unidos da América, a fim de tentar uma terapia ofertada pela ONG 4 Paws for Ability que, utiliza cães adestrados para interagir com crianças portadoras de alguma deficiência e veteranos de guerras. Foi onde que, Kainoa, o garoto que não permitia ser tocado por ninguém, ao receber o cão de nome Tornado, não hesitou e, pela primeira vez, deu um longo, sincero e afetuoso abraço no seu novo amigo, deixando a mãe em lágrimas, emocionada com o contato do filho.

Publicidade

 

 "Está vendo esse momento? Nunca tinha experimentado nada como isso. Ontem foi o primeiro dia que meu filho autista conheceu seu novo cão do serviço de autismo. A foto mostra a reação de uma mãe que viu seu filho, que ela não pode abraçar, dar banho, vestir ou tocar, deitar em seu novo cachorro por vontade própria, criando uma indescritível e poderosa ligação." , disse Shanna em publicação no Facebook. 

 “Valeu toda a luta por serviços para o meu filho, todos os diagnósticos, novos fornecedores, cada dólar investido, cada papel preenchido, cada reunião escolar, cada lágrima, cada passo a frente, cada passo para trás e cada maravilha para o futuro desconhecido. Por causa disso, por causa do Tornado. Eu sei que tudo ficará bem.”, ressaltou Shanna.

 A eficiência da terapia com cães

 Os animais, especialmente os cães, já vêm a algum tempo auxiliando o comportamento social de crianças autistas. Segundo pesquisas da Universidade de Montreal, no Canadá, os bichanos ajudam a reduzir a quantidade de cortisol no organismo, hormônio responsável pelos altos níveis de estresse e ansiedade dos portadores da síndrome.

De acordo com a diretora executiva da 4 Paws for Ability, Karen Shirk,"o cachorro pode impedir que o autista tente se agredir e pode dar lambidas e interagir mostrando carinho."    

Sendo assim, não é por acaso que o cão é intitulado como o melhor amigo do homem.  #Tratamentocomcães