No seriado de ficção Stranger Things (Netflix), ambientado na base da Força Aérea de Montauk, em Long Island (EUA), misteriosos eventos relativos a viagens no tempo e a universos paralelos começam a surgir após o desaparecimento de um garoto. O seriado também explora o fato dos seres humanos serem usados como cobaias em trabalhos experimentais do governo estadunidense.

Embora o thriller seja uma obra de ficção sem qualquer compromisso com a realidade, o Departamento de Energia dos Estados Unidos (DOE – sigla em inglês), responsável pela produção energética e pela segurança nuclear do país, numa tentativa de limitar o surgimento de teorias conspiratórias a respeito de programas secretos do governo estadunidense, veio a público refutar qualquer ideia relativa a experimentos sobre viagens no tempo, ou o uso de cobaias humanas em pesquisas sigilosas, exploradas pelo seriado Stranger Things.

Publicidade
Publicidade

De acordo com informações do jornal britânico The Telegraph, edição de sexta-feira (7), em nota divulgada na página da entidade, em agosto passado, o porta-voz do DOE, Paul Lester, escreveu um extenso texto apontando que o Departamento de Energia não pesquisa sobre universos paralelos nem explora outras dimensões, como acontece no emblemático universo do seriado.

A confissão

De acordo com o The Telegraph, apesar da inusitada manifestação do DOE, quando o jornalista Lachlan Markay enviou um pedido de liberdade de informação ao Departamento de Energia, com objetivo de conhecer os assuntos debatidos pelos membros da empresa, ele descobriu emblemáticas conversas de funcionários sobre viagens no tempo.  (Veja abaixo os documentos que ele teve acesso).

O jornalista se surpreendeu ainda mais com um comunicado no Twitter do DOE – excluído pouco tempo após a publicação -, onde o órgão desmentiu as declarações do porta-voz Paul Lester, que havia negado qualquer tipo de interesse da empresa no assunto.

Publicidade

Segundo Markey, que postou imagens e trechos das revelações no microblog, o DOE afirmou que sim, eles investem tempo e dinheiro em pesquisas sobre viagens no tempo.

“Não é verdade que o Departamento de Energia não explora universos paralelos. Apoiamos físicos teóricos / cosmólogos através do Gabinete do programa de Ciência Física de Altas Energias, alguns dos quais quase certamente estão fazendo uma boa quantidade de pesquisas sobre universos paralelos”, escreveu o Departamento de Energia dos Estados Unidos.

Cobaias humanas

De acordo com o periodista, a entidade foi ainda mais explícita ao ressaltar o fato deles terem realizado experimentos com seres humanos.

Na imagem abaixo, o DOE escreveu ao profissional da imprensa que a Comissão de Energia Atômica (AEC – sigla em inglês) fez testes com seres humanos. No entanto, enfatizou que essas pessoas eram militares.

O DOE também salientou que as pesquisas feitas com soldados em trincheiras próximos a locais de testes nucleares serviam para estudar os efeitos da radioatividade no organismo humano.

Publicidade

Entretanto, a empresa acentuou não saber informar se os experimentos com cobaias humanas foram encerrados, ou se continuam até os dias atuais.

Todavia, o órgão afirmou prestar assistência aos envolvidos nas pesquisas. “Até hoje, nós fornecemos cuidados de saúde para as pessoas em várias ilhas do Pacífico afetadas por testes nucleares", revelou. (Veja o arquivo original abaixo).

Ainda que o Departamento de Energia dos Estados Unidos não tenha detalhado os estudos sobre viagens no tempo e multiversos, o fato deles assumirem pesquisar o assunto com auxílio de cientistas contratados pelo governo, representa uma declaração inédita das autoridades estadunidenses sobre o tema amplamente explorado pela literatura Sci-Fi.

Agora, só nos resta aguardar a segunda temporada de Stranger Things, em 2017.   #Inovação #Curiosidades #Viral