De acordo com dados divulgados pela NASA (Administração Nacional do Espaço e da Aeronáutica), a cada 81 mil anos a lua é bombardeada por diversas rochas localizadas no espaço, em resumo isto resulta em uma alteração completa na sua superfície.

Segundo os estudos realizados por profissionais qualificados também estimam que cometas e asteroides que se chocam com o satélite da Terra geram, aproximadamente, 180 crateras com pelo menos 10 metros de diâmetro com o passar dos anos.

A descoberta foi recentemente publicada na revista científica britânica Nature, no qual mostraram diversas imagens do antes e depois fotografadas por uma equipe da NASA, onde observam a #lua desde 2009.

Publicidade
Publicidade

Podemos comparar esse bombardeamento com a Terra que todos os anos também sofre com isso, porém possui uma proteção por sua espessa atmosfera.

As rochas espaciais que atacam a lua e a terra possuem até 80 metros de diâmetro que provavelmente podem explodir nas camadas externas da atmosfera, visto que pode causar diversos danos, sendo pequenos ou até mesmo não provocando nenhum mal.

Os cientistas afirmaram que a frequência de impactos sofridos pela lua foi bem maior do que o esperado por eles. Alguns dados foram divulgados, detectaram um número próximo de 222 novas crateras causadas por esses impactos e descobriram aproximadamente 33% de rochas que possuem um diâmetro de no mínimo 10 metros.

O vídeo que relata este acontecimento foi publicado no YouTube e está provocando um sucesso intenso, pois recentemente houve o aparecimento da #Superlua que virou atração nacional.

Publicidade

Desde então, muitos leitores procuraram saber mais sobre a lua e suas diversas características, um fato memorável.

Os exploradores que realizaram esta pesquisa e trouxeram para a mídia também identificaram milhares de distúrbios na superfície, no qual representa uma semelhança grande quando comparada as "cicatrizes" de impactos que após milhares de anos tremeram a camada superficial da lua sem deixar qualquer tipo de cratera.

Confira o vídeo divulgado na internet:

#Ciência