Nos últimos anos, ouve-se falar de cancro como se fosse algo do nosso dia-a-dia. Chegado o mês de outubro, são sempre reforçadas todas as palestras, alertas e afins... Este mês é mundialmente conhecido como Outubro Rosa. 

Mas o que é o cancro da mama? 

É do conhecimento geral que somos constituídos por células. Logo o tecido mamário é constituído pelas células da glândula mamária . No seu estado normal, as células crescem e dividem-se em novas células - sob influência hormonal -  formadas à medida que vão sendo necessárias. A este fenômeno designa-se o nome de regeneração celular. No entanto, como tudo na vida, quando as células mamárias normais envelhecem ou se danificam - ou são danificadas - morrem naturalmente.  

Cada vez que as células perdem este mecanismo de controle e sofrem as devidas alterações no seu genoma – conhecido como DNA - tornam-se células de cancro - que não morrem quando envelhecem ou se danificam -  e produzem assim novas células que não são necessárias.

Publicidade
Publicidade

Assim sendo, forma-se um cancro.

Ao contrário das células normais, as células de cancro não respeitam as fronteiras do órgão - no caso a mama - invadindo os tecidos circundantes e podendo se espalhar a outras partes do organismo. Como por exemplo, as células de cancro podem invadir os gânglios linfáticos mais próximos, tais como os localizados debaixo da axila, os gânglios da base do pescoço e os gânglios da parede torácica.

Mais tarde pode atingir os ossos, o fígado, os pulmões e  o cérebro. Este processo tem o nome de metastização. 

A anatomia da mama é relativamente simples. 

A mama é uma glândula que produz leite. Para isso, a parte glandular da mama é formada por lóbulos (glândulas produtoras de leite nas mulheres),  ductos (tubos que carregam o leite dos lobos para o mamilo) e estroma (composição de tecido adiposo (gordura) e tecido conjuntivo.

Publicidade

Eles envolvem os dutos e lobos, vasos sanguíneos e vasos linfáticos). Quanto mais idade tiver a mulher mais gordura e menos tecido glandular ela vai ter.

Quando se fala em cancro da mama e Outubro Rosa, logo se pensa exclusivamente na mulher. Mas e os homens? Eles também tem tecido mamário. Logo também eles, embora em pequena percentagem, tem cancro da mama. Mas por quê? Porque o cancro se inicia nas células do tecido mamário. Muitas pessoas não percebem que os homens têm tecido mamário e podem desenvolver o cancro de mama. 

Existem, pelos menos, 5 principais tipos de cancro de mama. São eles: 

1 - Carcinoma 

Eis o tipo de cancro mais comum. Este tipo de cancro pode se formar em tipo de tecido do nosso corpo. Por esse motivo, dizem que este cancro é originado de um tecido epitelial. O tecido epitelial é o tecido que cobre grande parte de nossos orgãos e a nossa pele.

2 - Adenocarcinoma 

Este é um tipo de cancro que, geralmente, tem agressividade elevada. Também a remoção cirurgica é dificil.

Publicidade

Por esse motivo, o prognóstico é desfavorável.

3 -Carcinoma In Situ 

Considerado a fase inicial da #Doença. Quando este está apenas na camada do tecido onde se formou. No caso do cancro de mama,  o termo in situ significa que as células anormais foram formadas nos ductos. Este é um tipo de cancro não invasivo ou pré-invasivo. No entanto, se não for tratado, claro que pode se tornar invasivo. Este tipo de cancro raramente é diagnosticado no sexo masculino.

4- Carcinoma Invasivo 

Como o nome mesmo diz, ele é invasivo. Este é um tipo de cancro que se desenvolve. Inicialmente ele origina-se em um tecido - como todos os tipos de cancro - e ele vai evoluindo. Assim sendo, neste estágio, ele está espalhado por várias camadas de células.

5 - Sarcoma 

E por último, o sarcoma. Este é o tipo de cancro que começa nos tecidos conjuntivos. Tais como, o tecido muscular, o tecido adiposo ou os vasos sanguíneos. Este é um tipo de cancro raro.

O certo, e para prevenir o cancro da mama é aconselhado, tanto em homens como em mulheres fazerem regularmente, o auto-exame. Não esperar que seja tarde demais, por vergonha de falar ou mostrar alguma anomalia no seio. #Comportamento #Saúde