Certamente você já sentiu pelo menos uma vez na vida um desejo incontrolável por alguém, expressando uma forte química entre o casal. Você pode dizer que isso realmente foi amor, ou apenas atração física, porém o termo utilizado pelos médicos não tem nada de romântico ou sexy. HLA (antígeno leucocitário humano) significa essa incontrolável atração fatal que sentimos pelo #sexo oposto.

A revista científica Nature publicou recentemente um estudo revelando que sempre estamos à procura de pessoas para nos relacionarmos sexualmente, principalmente aquelas que carregam HLA diferente do nosso. Conhecido também como Complexo Principal de Histocompatibilidade (MHC), um sistema que é capaz de fazer com que nosso corpo identifique bactérias, vírus e células perigosas, que podem oferecer qualquer tipo de risco para o nosso organismo e sistema imunológico.

Publicidade
Publicidade

Para muitos, isso parece ser extremamente estranho, pois pensar que, os nossos anticorpos podem estar diretamente envolvido na atração sexual que sentimos pelo sexo oposto, é algo que nos chama a atenção e causa curiosidade.

Os pesquisadores que se dedicaram a pesquisa revelaram que, o HLA “está completamente envolvido com a sexualidade do ser humano, colaborando com o desejo intenso de procriar”, para que eles chegassem a essa conclusão foram examinados 254 casais, observando o seu comportamento sexual durante um longo período. Os pesquisadores da Universidade de Dresden, na Alemanha também descobriram que quanto maior for à diferença entre os antígenos leucocitários do casal, certamente a satisfação e o desejo sexual será ainda maior. Afirmando que esse #Comportamento envolve o instinto de sobrevivência da espécie humana.

Publicidade

 Eles também observaram o comportamento dos animais e seres humanos que carregam o HLA distinto e perceberam que isso colabora para que seus futuros descendentes sejam mais resistentes a contágios de doenças, pois os filhos herdam elementos do sistema imunológico do casal.

Cheiro e atração física

Os estudiosos contam que não existe necessidade de aprofundar estudos para testar o desejo sexual. Isso porque o nosso corpo já faz isso antecipadamente, muito antes de qualquer presunção consciente- o que teríamos bem diante do nosso olfato. Os mamíferos, peixes e aves sempre buscam se relacionar com parceiros com um código genético diferente, revela o estudo divulgado pela Nature. Os estudiosos ainda estudam a interferência do HLA no cheiro do nosso corpo e já existem possibilidades de que certos componentes estejam armazenados em nossa saliva e suor. Explicando que os nossos neurônios olfativos também são capazes de identificar o antígeno leucocitário humano (HLA) involuntariamente.

A pesquisa foi realizada na intenção de provar qual é a verdadeira importância do nosso sistema imunológico na nossa vida sexual, porém não menospreza a eficiência humana de dominar o seu próprio instinto sexual, reforçando que os opostos são capazes de se atrair, principalmente em sua vida sexual. #Relacionamento