Para quase todos os homens, ter um orgasmo é sinônimo de prazer e relaxamento. Entretanto, para um pequeno grupo de pessoas, o que se segue ao orgasmo é uma verdadeira sessão de tortura. Eles sofrem de uma rara síndrome denominada síndrome da #Doença pós-orgásmica, que provoca sintomas graves como diarreias, febre, dor muscular, fadiga excessiva, dor de cabeça severa, fraqueza, coriza, ardência nos olhos, confusão mental, depressão e perda de memórias. E o pior: em alguns casos mais graves esses sintomas podem durar até uma semana, tendo um impacto negativo e duradouro na vida das pessoas. De acordo com o site Mid-Day, os sintomas podem ser tão incapacitantes e insuportáveis que um paciente chegou a solicitar uma castração para se livrar do problema. 

A doença - que afeta apenas homens - foi identificada pela primeira vez em 2002, pelo neuropsiquiatra Marcel Waldinger, da Universidade de Utrecht, da Holanda. Os sintomas costumam aparecer cerca de trinta minutos após a ejaculação.

Publicidade
Publicidade

A síndrome costuma se manifestar na puberdade ou por volta dos 20 anos de idade. Homens que sofrem de ejaculação precoce são mais propensos a terem a síndrome. Ainda não há consenso sobre o que causa o problema, mas os estudiosos apontam que possivelmente se trata de uma reação auto-imune do corpo a substâncias encontradas no sêmen. Outras causas podem ser uma baixa taxa de progesterona, testosterona, cortisol ou até mesmo hipertireoidismo. 

Ainda não há um tratamento para a síndrome. Os pacientes podem apenas tratar os sintomas relacionados à doença. Médicos ainda aconselham que os homens que sofrem da síndrome da doença pós-orgásmica se abstenham de manter relações sexuais ou evitem ejacular. Como o conselho é muito difícil de ser seguido e impacta negativamente as relações dos homens com suas parceiras ou parceiros, os médicos podem indicar que as relações sexuais sejam agendadas de forma que os pacientes possam descansar nos dias seguintes ao ato sexual e evitem ir à escola ou ao trabalho.

Publicidade

Desta forma, o recomendado é que as vítimas da síndrome programem as relações para que aconteçam nas noites de sexta-feira, por exemplo.