Os brasileiros comemoram os resultados dos testes realizados com a fosfoetanolamina, conhecida como a "Pílula do Câncer", uma substância que promete alívio a muitos pacientes. E esse testes com a pílula continuam, agora na segunda fase, em seres humanos. Ao todo, são 200 pacientes envolvidos no programa que visa descobrir a real capacidade da substância e se de fato ela é eficaz contra a doença.

Os envolvidos no experimento serão divididos em 10 grupos, sendo que cada um desses grupos terão indivíduos com diferentes tipos de câncer. Para saber se realmente a pílula tem todo esse poder de cura como vem sendo dito, foram escolhidos pacientes que em estágio avançado.

Publicidade
Publicidade

Na primeira fase dos testes, ficou comprovado pelos pesquisadores do Icesp que o medicamento não é tóxico e que pode ser usado por pessoas sem oferecer riscos, mas isso não quer dizer que a pílula seja realmente eficaz contra o câncer, pois o que irá determinar isso serão os próximos testes realizados.

Os novos resultados serão divulgados somente daqui seis meses e é nesse período que os pacientes envolvidos na pesquisa serão avaliados para que, no final, os pesquisadores façam alguma conclusão.

Nos dois primeiros meses da segunda fase dos testes, os pacientes serão avaliados a cada duas semanas e, nos quatro meses seguintes, a avaliação será mensal. Ao final dos seis meses, caso os resultados se mostrem positivos, então outros mil novos pacientes serão inclusos na nova fase da pesquisa que será iniciada.

Publicidade

Espera-se que assim exista uma compreensão exata dos efeitos da fosfoetanolamina.

A fosfoetanolamina está presente no organismo das pessoas e tem como função ajudar na formação das moléculas das membranas das células, mas a substância também tem o importante papel de avisar ao nosso corpo sobre tudo que está ocorrendo com cada uma das células.

O químico Gilberto Chierice foi quem começou a desenvolver, aqui no Brasil, a versão sintética da fosfoetanolamina, ainda nos anos 80, quando era professor no Instituto de Química em São Carlos e, desde então, a substância começou a ficar famosa, sendo chamada de "Pílula do Câncer", justamente porque prometia curar as pessoas, sendo capaz de combater vários tumores.

Gilberto Chierice dividiu opiniões e até chegou a ser acusado de curandeirismo, mas nada ficou provado. Muitas pessoas começaram a entrar na Justiça para terem direito ao tratamento com fosfoetanolamina, mas agora com o avanço dos testes, espera-se que a questão fique resolvida de uma vez por todas, possivelmente liberando o uso da pílula para os pacientes, como também mostrando qual é a real eficácia da substância. #Pílula do Câncer #Medicina #Saúde