De acordo com informações divulgadas pelo site Express, do Reino Unido, os pesquisadores Ermanno Borra e Eric Trottier, da Universidade de Laval, localizada no Canadá, anunciaram ter encontrado centenas de estrelas que se comportam de maneira incomum, emitindo pulsos de luz que poderiam ser atribuídos a civilizações extraterrestres inteligentes.

Para chegar a tal pressuposto, os cientistas utilizaram o Sloan Digital Sky Survey, também conhecido pela sigla SDSS. Este aparato tecnológico é composto por um telescópio que possui um espelho de 2,5 metros de diâmetro, e está situado em Apache Point Observatory, no Novo México, Estados Unidos.

Publicidade
Publicidade

Trabalhando com o SDSS, Borra e Trottier digitalizaram imagens de cerca de 2,5 milhões de estrelas distantes, encontrando 234 corpos celestes que emitiam sinais que não poderiam ser considerados normais.

Sinais misteriosos viajando pelo Universo

Segundo o Express, os pesquisadores afirmaram que os sinais captados pelo SDSS provenientes destas estrelas possuem características semelhantes a lasers sendo emitidos através do espaço, apresentando "a forma exata" que teriam os pulsos de luz produzidos por civilizações inteligentes espalhadas pelo Universo.

Borra e Trottier publicaram um artigo sobre a sua descoberta no arXiv (arquivo eletrônico de publicações científicas), afirmando que já excluíram as explicações mais lógicas para o comportamento anômalo das 234 estrelas.

Em sua publicação, os cientistas alegaram que os estranhos sinais detectados não poderiam ser causados por algum tipo de interferência nos instrumentos utilizados, e nem por um erro na análise dos dados obtidos, uma vez que a discrepância encontrada está presente em apenas uma pequena porção das estrelas observadas.

Publicidade

Os pesquisadores declararam, conforme revelou o Express: "Nós consideramos diversas possibilidades, tais como transições rotacionais em moléculas, pulsações rápidas... E sinais gerados por Inteligência Extraterrestre".

Além disso, Borra e Trottier acrescentaram que o fato de estes sinais só terem sido encontrados em uma fração muito pequena de estrelas – que, por sinal, possuem um tipo espectral semelhante ao do Sol –, reforça a hipótese de que as emissões podem ter origem inteligente.

Entretanto, o Express complementou que os cientistas afirmaram, por meio de um comunicado, que ainda é cedo para atribuir esses sinais a supostas atividades de civilizações extraterrestres, sem que reste qualquer sombra de dúvida. #Canadá #Curiosidades #Desenvolvimento Tecnológico