#concussão cerebral é o nome dado a uma lesão que afeta todas as áreas do cérebro, principalmente no corpo caloso. Elas podem ocorrer tanto em acidentes de carro, como em quedas ou pancadas devido a esportes. Até traumas leves podem causar pequenas concussões.

As concussões podem ocasionar problemas na memória, concentração, equilíbrio, causar sequelas como epilepsia. Em casos mais graves, pode acarretar a encefalopatia traumática crônica, uma doneça degenerativa comum em jogadores de futebol americano devido às frequentes pancadas na cabeça. Além disso, podem ocorrer contusões, lesões mais graves que podem ocasionar inchaços e sangramento.

Publicidade
Publicidade

Infelizmente, capacetes convencionais não protegem das concussões, isso porque ele não impede o movimento da cabeça durante a pancada. Porém, já estão sendo vendidos, na Europa, colares cervicais que funcionam como airbags numa queda ou pancada, inflando-se e diminuindo as chances de lesões. Em outros países, como os Estados Unidos, a regulação ainda não aprova seu uso.

Caso venha a ter uma concussão, é importante que a pessoa evite trabalhar e atividades como: exercícios cerebrais, usar eletrônicos, ler ou escrever até que os sintomas passem. É de suma importância a ida ao médico, pois ele irá dar as recomendações apropriadas para o seu tipo de lesão.

Alguns sintomas provocados por pancadas são dor de cabeça constante, perda temporária de memória, tonturas, confusão mental, náuseas, vômitos, fala alterada, cansaço, sensibilidade excessiva à luz e dificuldade para dormir.

Publicidade

Porém, esses sintomas podem ser causados por lesões leves, e, por isso, não precisariam de tratamento.

É recomendável a ida ao médico caso apareçam esses sintomas em crianças, vômito imediato, após o trauma, ocorrerem desmaios, dor de cabeça que piore com o tempo ou dificuldade para pensar ou concentrar.

Ainda pode ocorrer a chamada síndrome pós-concussão dias depois da pancada. Os sintomas são basicamente os mesmos do período da concussão, porém, eles se prolongam por mais de três meses e o paciente precisa de um acompanhamento com o neurologista. #Doença #Saúde