No Reino Unido, pesquisadores desenvolveram um novo método para detecção do vírus HIV (sigla em inglês para Human Immunodeficiency Virus ou Vírus da Imunodeficiência Humana). O novo teste consiste em um dispositivo eletrônico semelhante a um pendrive, o mesmo pode fazer uma verificação muito rápida e precisa da existência ou não do vírus no corpo dos pacientes.

O referido dispositivo foi desenvolvido por uma empresa privada norte-americana chamada DNA Electronics e por pesquisadores do Imperial College London. O mesmo recebe uma gota de sangue a ser examinado, e, em seguida, gera sinais elétricos que possibilitam a leitura dos dados por computadores, laptops, tablets e outros dispositivos eletrônicos, desde que estes possuam um software especializado instalado.

Publicidade
Publicidade

Embora o projeto esteja em estágio inicial, os cientistas afirmam que essa inovação tecnológica poderá permitir que as pessoas analisem regularmente os níveis do vírus em seus corpos, semelhante ao que acontece com os portadores de diabetes, que podem medir a quantidade de açúcar no sangue com um teste simples e rápido.

A expectativa é que essa tecnologia possibilite às pessoas portadoras do vírus que moram em regiões remotas a realizar seu tratamento de forma muito mais eficaz, levando em consideração que os testes atuais dos níveis de vírus dependem de análises laboratoriais e acabam demorando no mínimo três dias para que se obtenha o resultado.

Além do mais, representaria uma significativa melhora no tratamento de pessoas que moram em regiões muito pobres, como Haiti e a região da África subsariana, pois este método tende a ser mais barato, o que facilita sua implementação gratuita nos órgãos de #Saúde pública de muitos países.

Publicidade

Ainda não existe #Cura para o HIV e a única maneira dos portadores terem uma vida plena é através de tratamento com medicamentos controlados, por isso, para quem realiza esse tratamento é extremamente necessária a monitoração da carga viral.

Os resultados divulgados em um periódico científico chamado "Scientific Reports" mostraram que o exame obteve eficiência de 95% com cerca de 991 amostras de sangue e o tempo gasto na análise das amostras foi de aproximadamente 20,8 minutos.

Esse é um grande avanço da ciência para a melhora da qualidade de vida das pessoas que possuem o vírus HIV. #AIDS