Pesquisadores da Universidade Estadual do Arizona (EUA), que analisaram imagens de Marte, enviadas pelo jipe-robô Spirit, cujas atividades no planeta vermelho encerraram em 2011, acabam de divulgar a possibilidade do rover da NASA ter detectado possíveis vestígios de vida numa região daquele planeta.

De acordo com informações do jornal britânico Daily Mail, de terça-feira (22), a equipe formada por geocientistas descobriu a existência de depósitos de sílica numa área apelidada de “Home Plate”.

Segundo o cientista Steven Ruff, principal autor do estudo, o material encontrado é semelhante aos formados nas águas termais (Gêiseres) de El Tatio, no deserto do Atacama (Chile).

Publicidade
Publicidade

No entendimento de Ruff, indícios da substância no planeta vermelho sugerem haver atividades biológicas e não biológicas no astro, pois a sílica formada na Terra surge a partir dessas particularidades.

O estudo, publicado na revista científica Nature Communications, em 17 de novembro, ainda acentua que as sílicas de El Tatio, são “quase idênticas” às amostras descobertas há oito anos pelo Spirit, na localidade de Home Plate, situada na cratera de Gusev.

Conforme o estudioso, devido aos avanços científicos e tecnológicos empregados na exploração de Marte, já é possível verificar bioassinaturas no planeta vermelho.

O geofísico ressalta que pelo fato dos micróbios desempenharem papel fundamental para a criação da sílica, a chance de haver seres orgânicos em Marte é altamente concebível.

Novo robô em Marte

Segundo Steven Ruff , a Agência Espacial Americana (NASA) objetiva enviar um novo jipe-robô ao planeta, em 2020.

Publicidade

O moderno rover, que provavelmente substituirá o Curiosity - em atividade desde 2012 -, será equipado com instrumentos mais avançados.

Apesar da agência demonstrar interesse em explorar outras áreas, pesquisadores sugerem que ela volte a pesquisar o terreno de Home Plate, onde a sílica foi detectada, e o solo de Columbia Hills, ambos localizados na cratera de Gusev.

"Nós sabemos exatamente para onde ir e recolher amostras. E as estruturas de sílica encontradas pelo Spirit atendem à definição de uma bioassinatura potencial", conclui o cientista.

Para ler o artigo publicado na revista científica, copie e cole o link no navegador: (http://www.nature.com/articles/ncomms13554). #Inovação #Mídia #Curiosidades