De acordo com informações disponibilizadas pelo site Express, do Reino Unido, cientistas identificaram uma região estranha em Marte que pode conter a chave para revelar a existência de organismos vivos no planeta vermelho.

O local em questão é formado por depressões que estão sendo analisadas por pesquisadores da Universidade do Texas, e segundo o Express, os cientistas acreditam que a formação rochosa, localizada na borda de uma cratera na região conhecida como Bacia de Impacto de Hellas, ou Hellas Planitia, possui um ambiente quente e rico em elementos químicos, que poderia ser perfeito para a existência de vida microbiana.

Publicidade
Publicidade

Joseph Levy, principal autor do estudo, e pesquisador do Instituto de Geofísica da Universidade do Texas, afirmou que a região se tornou alvo de análises porque parece conter os principais ingredientes para que a vida possa prosperar, como por exemplo, água, calor e nutrientes.

Depressões estranhas

As depressões em Hellas chamaram a atenção de Levy e sua equipe pela primeira vez em 2009, quando o cientista visualizou traços de rachaduras em fotos tiradas do solo da região pela sonda americana Mars Reconnaissance Orbiter.

O cientista afirmou que as formações foram notadas porque são muito estranhas, se assemelhando a estruturas existentes na Terra conhecidas como de "caldeirões de gelo", que são formadas quando vulcões entram em erupção logo abaixo de geleiras (como acontece, por exemplo, na Islândia).

Publicidade

Conforme revelou o Express, a interação entre gelo e lava pode criar um ambiente que contém água líquida em abundância, além de agregar nutrientes e compostos químicos – ou seja, a ocorre a união dos ingredientes básicos para o desenvolvimento da vida, tal como ela é conhecida em nosso planeta.

Após analisar as imagens obtidas pelo Mars Reconnaissance Orbiter, a equipe de Levy chegou à conclusão de que as depressões em Hellas foram, com certeza, criadas por atividade vulcânica.

Ainda de acordo com o Express, Gro Pedersen, vulcanologista da Universidade da Islândia, que não estava envolvido no estudo, afirmou que formações encontradas em Marte realmente se assemelham aos caldeirões de gelo da Terra, e o fato, visto desta perspectiva, já é capaz de despertar grande interesse científico. #Curiosidades #EUA