Você é aquela pessoa que se preocupa excessivamente com o futuro? Ou conhece alguém que tenha uma ansiedade incontrolável, a ponto de sofrer e prejudicar o funcionamento de atividades diárias? Sem se tratar, o Transtorno de Ansiedade Generalizada pode trazer riscos para sua #Saúde e bem estar. Então não deixe de ler esse artigo.

Nos termos científicos, o transtorno da ansiedade generalizada (#TAG), segundo o manual de classificação de doenças mentais, é um distúrbio caracterizado pela preocupação excessiva, persistente e de difícil controle, e perdura por seis meses no mínimo.

Causas

O transtorno de ansiedade generalizada é uma doença comum e, como em outros transtornos mentais, não se tem o conhecimento genuíno de suas causas.

Publicidade
Publicidade

Porém, estudos apontam que as causas podem estar relacionadas a neurotransmissores (que são típicos do sistema nervoso central), fatores genéticos e fatores externos (como o estresse do dia a dia e a qualidade de vida do individuo).

Mais mulheres do que você imagina

Os pesquisadores Gustavo Kinrys e Lisa Wygant afirmam que mulheres têm o dobro de chances de desenvolverem o TAG, em relação ao sexo oposto. Pesquisas nos EUA apresentaram uma probabilidade significativamente maior de pessoas do sexo feminino desenvolverem o TAG (6% x 3%). Inúmeros estudos têm revelado que mulheres com TAG descrevem com freqüência a piora dos sintomas desse transtorno no período pré-menstrual.

Principais características da pessoa que tem o TAG

Existem algumas características do transtorno que ajudam a identificar se você sofre com o TAG, devendo apresentar três ou mais dos seguintes sintomas:

  • Inquietação
  • Fadiga
  • Irritabilidade
  • Dificuldade de concentração
  • Tensão muscular
  • Perturbação do sono

Estilo de vida mais agitado e traumas de infância

Ao se fazer o diagnóstico deve ser considerado o estilo de vida agitado.

Publicidade

Indivíduos que apresentavam maior nível de medo na infância, ambientes familiares conturbados e traumas na infância, como abuso sexual ou violência psicológica, podem desenvolver este tipo de transtorno em algum período da vida.

Como tratar o TAG?

A preocupação excessiva pode levar a sérios problemas, podendo prejudicar as atividades diárias, como emprego, estudos, casamento, relacionamento entre pais e filhos e a vida social em geral. Pode também desencadear outras patologias como a depressão. Por esses motivos é de extrema importância que amigos ou familiares, percebendo algumas dessas características, tenham uma atitude mais incisiva, incentivando e acompanhando a pessoa, se possível, na busca por tratamento.

Para o tratamento do TAG é fundamental a #psicoterapia. Ela viabiliza o auxílio no controle da ansiedade bem como investigaa natureza dessa ansiedade excessiva. Pode ser necessário também o uso de medicamentos antidepressivos ou ansiolíticos, sob prescrição médica. O tratamento farmacológico geralmente precisa ser mantido por seis a doze meses depois do desaparecimento dos sintomas, e deve ser descontinuado em doses gradativas de acordo com a melhora do individuo.

Publicidade

O mais importante é buscar ajuda, assim que identificado algum sintoma do TAG.