Uma cauda de dinossauro de 99 milhões de anos, com ossos, tecidos e penas foi encontrada totalmente preservada em âmbar, de acordo com um relatório publicado nesta última quinta-feira (8), na revista Current Biology. A pesquisa foi conduzida pelo paleontólogo Lida Xing, da Universidade Chinesa de Geociências, com apoio da National Geographic.

A incrível #Descoberta dos paleontólogos traz novas possibilidades de pesquisa e uma comprovação da presença de penas nos corpos dessas espécies milenares. Até então, grupos de cientistas só haviam encontrado penas individuais e indícios da presença de plumagem em fósseis.

O material encontrado dentro da resina tem apenas 3,5 cm e passou por tomografias e análises microscópicas que revelaram oito vértebras do meio ou fim de uma cauda longa e fina, que podem ter sido originalmente composta de mais de 25 vértebras.

Publicidade
Publicidade

Com base nessa estrutura, os especialistas acreditam que a amostra pertença a um jovem Coelurosauria, espécie que faz parte de um grupo de #Dinossauros terópodes que inclui desde tiranossauros a pássaros modernos.

Segundo Lida Xing, o achado representa um avanço importante nos estudos sobre a evolução dos dinossauros e seu "parentesco" com as aves modernas.

O âmbar denominado DIP-V-15103 foi apelidado com o nome "Eva", em homenagem à paleobotânica Eva Koppelhus, esposa do co-autor, Philip Currie.

A amostra foi encontrada em meados de 2015 em uma mina de âmbar conhecida em Myitkyina, ao norte de Myanmar, onde acredita-se estar localizada a maior concentração de fósseis do Período Cretáceo (época datada entre 145 milhões e 66 milhões de anos atrás).

Essa foi uma das mais de uma dúzia de amostras de âmbar significativas que foram recolhidas pelo paleontólogo e sua equipe de pesquisa, dais quais duas delas continham as asas de um pássaro dinossauro da era, que também se tornou notícia.

Publicidade

Entusiasmado com a descoberta, Xing se mostra otimista com as pesquisas e afirma: "Talvez possamos encontrar um dinossauro completo".

Confira o vídeo da NatGeo sobre a descoberta:

#Ciência